quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Shuttles desprezados - Final






Após recebimento de mensagens lamentando a incapacidade de importante parcela de nossa criação em ter um entendimento mínimo razoável sobre a gravitação genética do PSI no turfe mundial, daremos por fim a série "Shuttles desprezados". De fato, ela deprime aqueles que possuem uma melhor compreensão técnica do assunto.

Mas colocaremos a título de encerramento, alguns garanhões que serviram no Brasil listados na estatística europeia de avôs maternos. Todos, sem exceção, tiveram suas filhas desprezadas pela criação brasileira.


1 - SINNDAR

Sinndar vencendo o Prix de L'Arc de Triomphe.


Sinndar vencendo o Derby de Epson.

 




2 - TREMPOLINO

Trempolino vencendo o Prix de L'Arc de Triomphe.

 

 


3 - PEINTRE CÉLÈBRE

Peintre Célèbre vencendo o Prix de L'Arc de Triomphe.







5 - SHIROCCO e MANDURO

Shirocco vencendo a Breeder's Cup Turf.


Manduro.

 





Essas estatísticas nomeiam os 100 principais avô maternos do turfe na Europa e as analisando podemos ver em qual patamar de garanhões os DESPREZADOS por nossa criação se situam. É incompreensível que as filhas desses mesmos garanhões produzem com sucesso na Europa e as nascidas aqui raríssimas vezes recebem oportunidade na reprodução. A nossa seleção genética é assim tão superior a europeia para se dar ao luxo desses descartes?

Ainda temos genéticas de primeira qualidade oriundas de diversos shuttles e que são respeitadas internacionalmente, certamente esses garanhões se credenciarão como bons avôs maternos. Evidentemente é necessário separar o joio do trigo, pois muitos elementos inferiores que aqui aportaram e não foram bem na reprodução, quase que com certeza também confirmarão serem avôs maternos de baixo calibre.  

Ao pensarmos em grandes performers na reprodução que não alcançaram maior sucesso através de seus filhos, jamais devemos nos esquecer do exemplo de SECRETARIAT, um mediocre pai de ganhadores e alçado a chef-de-race pela utilização massiva de suas filhas.