sábado, 25 de agosto de 2018

Mr. Angra



Mr. Angra, Fam.10-d, castanho, SP, 2008, por Romarin em Angra por Magical Mile. Criação e propriedade do Haras Torrão de Ouro, encontra-se alojado no Beverly Hills Stud, 13-6-3-1, foi um bom indivíduo de sua geração, Catcher In The Sky, Joe Owen e Vallin eram os seus principais contendores dentro dos 1300 aos 1600 metros.

Seu pai Romarin, obteve 10 vitórias entre Cidade Jardim e EUA, seus melhores resultados foram:

Venceu por duas vezes o Early Times Classic, G2, 1800 m,
1. San Gabriel Handicap, G2, 1800 m,
1. Early Times Turf Classic Stakes, G2, 1800 m,
1. GP Piratininga, G2, 2000 m,
1. Hollywood Mile, L, 1600 m,
2. GP Derby Paulista, G1, 2400 m,
2. Eddie Read Handicap, G1, 1800 m,
2. American Handicap, G2, 1800 m,
2. Arcadia Handicap, G2, 1600 m,
2. Schoemaker Breeders Cup Mile, G2, 1600 m,
2. Forty Niner Handicap, L, 1100 m,
3. GP Asociación Latinoamericana de Jockeys Clubs, G1 – La Plata, 2100 m,
3. San Francisco Mile Handicap, G2, 1600 m,
3. El Rincón Handicap, G2, 1800 m.

Dentre seus filhos destaque para Tenarin (GP Derby Paulista, G1), Ultinov (GP JA de Almeida Prado, G1), O Dragão (GP Linneo de Paula Machado, G1), Bandido Secreto (GP Pres. Da República-SP, G1), Vupt Vapt (GP Jockey Club de São Paulo, G1), Question New (GP Barão de Piracicaba, G1), Lamor (GP JA de Almeida Prado, G1), etc.  Foi eleito pela ABCPCC como o melhor garanhão nacional nas temporadas 2004/2005 e 2005/2006.

Romarin.


Romarin possui régio pedigree, seu sangue pertence a uma linhagem materna de altíssima qualidade, a de Zariba, e ele é inbreeding 4 x 6 na grande mãe Barley Corn, via Shantung e Sassafras. Nós o consideramos dentro do élevage nacional um "Quality Chef", se bem, que para o nosso incipiente turfe creditar esse título é apenas um parâmetro sutil, pois o criador brasileiro é incapaz em avançar na manutenção das nossas linhas masculinas quando surgem.

Seu avô materno Magical Mile 7-4-0-1, foi vencedor da importante prova para 2 anos Hollywood Juvenile Championship S, G3, 1200 metros e a sua quinta colocação no Malibu Stakes, G2, 1400 metros é o seu outro resultado que pode ser destacado. Como garanhão teve a sua produção voltada de forma absolutamente majoritaria para o mercado das pencas, onde pode ser considerado um bom reprodutor. Em hipódromos oficiais só podemos citar Mig, 2.GP ABCPCC, G2 e Gulf News, 2.GP Pres. José de Souza Queiróz, G2.

Magical Mile.


Sua mãe Angra, obteve 4 vitórias entre os 2 e 3 anos em Cidade Jardim, possui em Mr. Angra o seu melhor produto. A segunda mãe de Mr. Angra, Durona, foi uma parelheira bastante útil, com 7 vitórias, inclusive em listeds mais colocação clássica, 2. Cl. Jockey Club Brasileiro, G3. Pertence a uma linha materna importada da Inglaterra pelo Haras Tamandaré através da égua Fascinating Rhythm, mas, muito pouco explorada entre nós. Mesmo assim nos ofereceu além de Mr. Angra os vencedores e/ou colocados em provas de grupo Icelander, Trezel e Ergura.

Mr. Angra em sua vitória no GP Presidente do Jockey Club.



                                              Campanha

3 anos

2. Prêmio Império de Birigui, 1300 m, GM, Cidade Jardim,
2. Prêmio Kara de Birigui, 1400 m, GF, Cidade Jardim,
1. Prêmio Quartel General, 1400 m, GM, Cidade Jardim,
2. Prêmio Queen Shu, 1500 m, GF, Cidade Jardim,
1. Prêmio Wets Hope, 1600 m, GF, Cidade Jardim,
4. Prova Especial Tito Mello Zarvos, 1500 m, AE, Cidade Jardim,
7. Grande Prêmio Presidente do Jockey Club, G3, 1600 m, GM, Cidade Jardim,

4 anos

1. Prêmio Que Fenomeno, 1500 m, GB, Cidade Jardim,
1. Prêmio Arquiteto Nero, 1600 m, GM, Cidade Jardim,
1. Pesos Especiais Fly and Goodbye, 1600 metros, GM, Cidade Jardim,
3. Grande Prêmio Natal, G3, 1500 metros, GP, Cidade Jardim,
1. Grande Prêmio Presidente do Jockey Club, G3, 1600 metros, GF, Cidade Jardim, cravando o excepcional tempo de 1m 33s 047
5. Grande Prêmio da República, G1, 1600 metros, GF, Cidade Jardim.


Mr. Angra em seu belíssimo biotipo.




Mr. Angra, possui um pedigree raríssimo, com grande possibilidade de por cruzamentos acertados fazer seus filhos chegarem com pleno sucesso até a meia distância e muito possivelmente a distância clássica. A sua utilização para canchas retas é para nós uma incógnita, pois não vemos nele aquela velocidade explosiva de arranque, e sim, velocidade prolongada no tempo. Um aspecto que nos chama a atenção é a mais do que rara presença em seu pedigree do champion miler brasileiro Indaial, de fato, um achado, pois quem o viu correr sabe o que foi seu poderio locomotor.

Indaial.

Ao vermos Mr. Angra não conseguimos compreender como a criação nacional ainda não buscou uma consanguinidade sobre um dos melhores cavalos já nascidos no Brasil, Itajara. Temos aqui sangue de seus dois melhores filhos, Siphon e Romarin, e Romarin nos oferece essa continuidade por Mr. Angra, um corredor de muito boa qualidade.

Siphon.


Obs. Ao que consta, os brasileiros Mr. Angra, Tenarin, Iaquinta e Mr. Bojangles são hoje no turfe mundial os últimos jovens garanhões com possibilidade de serem continuadores da linhagem Prince Rose - Prince Bio. Tomara estejamos equivocados.



Que tal esse hipotético cruzamento? Por qual razão os criadores sediados em São Paulo que possuem éguas Siphon não tentam um 3 x 3 sobre Itajara?



Quem sabe não possa surgir daí um novo craque...















sábado, 18 de agosto de 2018

Royal Academy - A influência da família 8



É com grande satisfação que publicamos essa colaboração do amigo Marcelo Augusto da Silva, um expert das coisas do PSI, proprietário do Stud Figurón e Varanda. O tema por ele aqui abordado é muito interessante, trazendo um novo entendimento, em nossa opinião bastante válido, para o planejamento de cruzamentos. Vamos a ele:


A Influência da Família 8 na Estrutura do Pedigree do Campeão Royal Academy


Em artigos publicados em outros canais venho defendendo a reaproximação familiar, como uma importante ferramenta no resgate da essência das famílias, seu vigor e sua força. Seguindo como uma das linhas de raciocínio o fato de que em seu habitat natural as manadas se mantinham fechadas em sua herança  genética materna. Depois de muitas pesquisas realizadas no decorrer dos últimos anos observei que essa reaproximação colaborou de forma positiva com famílias que até então se mantinham em estado de hibernação e que a partir dali passaram a produzir elementos clássicos e em outras, ainda ativas, quando juntadas, tornavam-se nitroglicerina pura, como é o caso do nosso personagem ROYAL ACADEMY.




Para falar sobre Royal Academy e a importância da família 8 na equação do seu pedigree, peguei como ponto de partida outro elemento da família 8, MENOW, da subfamília 8-g, um Pharamond (Phalaris), multi ganhador clássico, Champion 2-years-old colt, pai dentre outros de Tom Fool, Champion e Hall da Fama e de Capot, ganhador do Preakness e Belmont Stakes. O que chama a atenção com relação a Menow foi o seu desempenho como avô materno, sendo que, pelo menos 4 de suas filhas tiveram grande destaque no haras, sendo elas DYNAMO, FLARING TOP, FIRST ROSE e SPRING RUN.

Menow.



O que todas elas tinham em comum é o fato de que como seu pai Menow, também pertencerem a família 8, ou seja, estavam potencializadas naquela família.

- Dynamo, da subfamília 8-c, produziu:  
  -  A Champion ganhadora de 10 stakes, High Voltage, mãe de Bold Commander, por Bold Ruler (subfamília 8-d);

- Flaring Top, da subfamília 8-f, produziu:        
  -  A Canadian Oaks Flaming Page, mãe de Nijinsky e avó de The Minstrel;

- First Rose, da subfamília 8-c, produziu:
   -  A fenomenal Crimson Saint, mãe de Royal Academy e também de Terlingua, essa  por sua vez mãe do chefe de raça Storm Cat;

- Spring Run, da subfamília 8-c, produziu:
    -  O ganhador clássico Red Gold, este por sua vez pai do Champion Blushing Groom.


Assim, abrindo o pedigree de Royal Academy, perceberemos que se trata de um elemento fortemente estruturado na família 8, tendo como pai Nijinsky (subfamília 8-c) e até a quinta linha do seu pedigree, uma única duplicação, justamente em Menow (subfamília 8-g).

Serve de reflexão a influência da família 8, principalmente de Menow no vitorioso nick Nijinsky x Blushing Groom, e também dessas tribos quando cruzadas com Storm Cat.

Sobre Menow vale destacar ainda que sua mãe Alcebíades, além de champion, foi uma autêntica raçadora, tendo contribuído diretamente pelo surgimento de outros animais de exceção como Sir Ivor e Buckpasser (Tom Fool - Menow). Sir Ivor quando cruzado com éguas Nijinsky, produziu por exemplo, a Air Distigue, ganhadora de grupo 3 na França, e mãe do nosso conhecido Vettori.

Vincent O’Brien além de gênio na arte de treinar, sabia como poucos selecionar um campeão, poderíamos tratar como mera coincidência o fato dele ter treinado e selecionado a maioria de seus campeões advindos da família 8, tais como Sir Ivor (subfamília 8-g), The Minstrel (subfamília 8-f), Nijinsky (subfamília 8-f), Royal Academy (subfamília 8-c), Be My Guest (subfamília 8-c) e Try My Best (subfamília 8-f).


Royal Academy.



Temos no Brasil ativa descendência de Nijinsky, principalmente via Royal Academy, de Blushing Groom através de Nedawi e mais recentemente a introdução de elementos de alto padrão da tribo Storm Cat, via Forestry, Discreet Cat e Shangai Bobby. Material genético em abundância que cruzados entre si receberia como contribuição a herança genética da família 8. Caberia aos criadores brasileiros devida atenção e não deixar essa oportunidade se dissipar, principalmente com relação a TOP HAT, um Royal Academy qualificado e que talvez por ter herdado o gênio de sua raça, encontra-se colocado no ostracismo. Me recordo sempre que Vicent O’Brien teve muito trabalho com o temperamento de Nijinsky, quase perdendo-o, assim essa descendência necessitará sempre na sua lida de mãos muito hábeis.

Adendo: Vettori, que têm uma mãe estruturada na família 8 poderia se tornar um nick com a descendência de Royal Academy. O melhor filho até o presente momento de Out of Control, um Vettori, Céu de Brigadeiro, possui uma mãe Royal Academy.  Molengão, um Royal Academy super qualificado, desapareceu, não sei se foi embora para o Uruguai, cobriu duas éguas Vettori e deu uma potranca muito útil, ganhadora de 6 e com diversas colocações clássicas, a Ilha de Páscoa. Top Hat não cobriu nenhuma égua Vettori...

Marcelo Augusto da Silva


Obs: Link para artigo sobre TOP HAT


Para encerrar esse excelente artigo do Marcelo um pensamento: "Essas nuances na criação do PSI são visíveis apenas para aqueles que querem e sabem onde olhar."





segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Thignon Boy


Foto Ninho do Albatroz.

Thignon Boy, fam. 1-w, alazão, Paraná, 2000, por Thignon Lafre e Betina Girl por Mat Boy, de criação e propriedade do Haras Valente, 17-8-1-1, foi um corredor de muito boa qualidade, venceu dos 2 aos 4 anos, dos 1600 aos 2400 metros. Sua vitória no GP Brasil o consagrou como o melhor cavalo em atividade no país em 2004 – Troféu Mossoró.




Seu pai Thignon Lafre, 9-5-3-0, venceu os GP São Paulo, 2400 m – G1, GP Derby Paulista, 2400 m – G1, GP Jockey Club de São Paulo, 2000 m – G1, foi segundo colocado nos GP J Adhemar A Prado – Taça de Prata, 1600 m – G1 e GP Pres Rafael A Paes de Barros, 2400 metros – G2. 

Thignon Lafre a primeira vista indica apresentar um baixo aproveitamento clássico, mas, de seus 9 ganhadores Black-type, 7 o fizeram em provas do mais alto patamar, além de Thignon Boy apresentou nessa esfera a Roxinho (GP Ipiranga, GP Derby Paulista, GP Jockey Club de São Paulo - Tríplice Coroado Paulista), Ballxiza (GP Derby Paulista, 3. GP Carlos Pellegini – Arg) , Lewis (GP Cruzeiro do Sul), Estrela Anki (GP Zélia Peixoto de Castro), Energia Cósmica (GP Linneo de Paula Machado – Grande Criterium), Valiantness (GP OSAF) e mais os vencedores e/ou colocados em demais grupos Salustiano, Vasuveda, Alcazar, Mr Lafre, Sinitron, Rebequista, Whisper Boy, After Sister, Interfab, etc.

Thignon Lafre.


Foto Ninho do Albatroz.

Seu avô paterno Henri Le Balafré, correu dos 2 aos 4 anos, tendo sido apresentado nas pistas 13 vezes, para obter 5 vitórias, 2 segundos e 1 terceiro lugares. Venceu o Prix Royal Oak, 3100 m, G1 – FR e Premio Roma, 2000 m, G2 – ITY; 2. Prix de Fontainebleau, 1600 m, G3 – FR; 5. Prix Eugene Adam, 2000 m, G2 – FR. Regionalmente venceu o importante Grand Prix de Lyon, 2400 m, L – FR. 

Produziu 21 individuais ganhadores de grupo, sendo 11 em grupo 1. Foi pai de Ás de Pique (GP São Paulo), Ken Graf (GP São Paulo), Fantastic Dancer (GP ABCPCC – Copa Matias Machline), Pour Henri (Derby Paulista), Quintus Ferus (GP Ipiranga), Outra Arumba (GP Diana), La Greve (GP Diana), etc

Henri Le Balafré.


Sua mãe, Betina Girl, sem destaque nas pistas. Como reprodutora produziu 3 elementos, dois correram e dois venceram, Thignon Boy é o seu melhor filho. Seu avô materno Mat Boy é considerado na reprodução um “gigante genético argentino”, foi parelheiro de extrema categoria, 13-11-2-0, principais resultados:

           EUA:
-         1. Widener H, G1, G, 2000 m – venceu por 10 corpos, Hialeah Park,
-         1. Gulfstream Park H, G1, G, 2000 m – venceu por 12 corpos, em recorde 1’59’00, Gulfstream Park,
-         2. Pan American H, G2, G, 2400 m,

Argentina:
-         1. GP de Honor, G1, G, 2500 m –  venceu por 38 corpos, 3’6”2/5,
-         1. GP Republica Argentina, G1, G, 3000 m – venceu por 13 corpos, 2’33”4/5,
-         1. Cl. Chacabuco, G2, G, 3000 m –  venceu por 17 corpos, 2’35”2/5,
-         1. Cl. Comparación, G2, G, 2500 m – venceu por 10 corpos, 2’34”3/5

Mat Boy.



Do veio familiar de Thignon Boy podemos destacar, Team (Champion 2 anos na Argentina, Carrera de las Estrellas, G1), Golfer (Polla de Potrillos, G1), Royal Bay (Polla de Potrancas, G1), La Costa Azul (Polla de Potrancas, G1), no Brasil Empire Day (GP J Adhemar A Prado – Taça de Prata, G1, Champion 2 anos), Old Tune (GP Margarida Polak Lara, G1), etc.

Além de Mat Boy, ele reúne em sua linha baixa até a quarta geração uma sucessão de craques do porte de Mountdrago (gigante genético argentino) e Utópico, na quinta geração aparece El Curaca, pai e avô materno de singular êxito na Argentina.

Thignon Boy em sua vitória no GP Brasil - 2004.


                                        

                                                  Campanha

2 anos

6. Prêmio Esportes Rádio Banda B, 1200 m, ALN, Tarumã,
2. Prêmio Asociación Latinoamericana de Jockeys Clubes, 1500 m, GRP, Cidade Jardim,
8. Grande Prêmio ABCPCC – Criterium Paranaense, G3, ALN, Tarumã,
1. Prêmio Edgard Garcia, 1600 m, GB, Cidade Jardim,

3 anos

1. Prêmio Sociedade Hípica Paulista – 92 anos, 1600 m, GRP, Cidade Jardim,
12. Grande Prêmio Ipiranga ***, 1600 m, G1, GRP, Cidade Jardim,
1. Prêmio Dirty Dancer, 1600 m, GM, Cidade Jardim,
3. Grande Prêmio ACPCCP – Taça Pinheiro de Ouro, G3, 1600 metros, ALN, Tarumã,
1. Prova Especial Linneu Ferreira do Amaral, 1900 m, ALN, Tarumã,
1. Grande Prêmio 14 de Março, G2, 2400 m, GP, Cidade Jardim,
1. Grande Prêmio Oswaldo Aranha, G1, 2400 m, GM, Cidade Jardim,
6. Grande Prêmio São Paulo, G1, 2400 m, GP, Cidade Jardim,

4 anos

8. Grande Prêmio Dezesseis de Julho, G2, 2400 metros, GB, Gávea,
1. Grande Prêmio Brasil, G1, 2400 m, GB, Gávea,
1. Grande Prêmio Copa ABCPCC – Matias Machline, G1, 2400 metros, GB, Gávea,

UAE

4. Elnadim Handicap, 2200 m, GF, Nad Al Sheba,

5 anos

12. Etisalat Emirates Cup - Invitacional, 1800 m, GL, Nad Al Sheba.

Obs. Thignon Boy sentiu nessa prova, sendo alçado por seu jóquei, e retornou ao Brasil para servir na reprodução.


A linhagem de HURRY ON.


Hoje Thignon Boy é o único representante vivo do veio masculino de Hurry On no turfe mundial e curiosamente vêm através de uma linhagem de melhores filhos, Precipitation – Sheshoon – Sassafras – Henri Le Balafré – Thignon Lafre. 

Precipitation. 


Sheshoon. 


Sassafras.


Sassafras derrotando Nijinsky no Arco do Triunfo.


Cabe aos criadores brasileiros a decisão, em oferecer ou não, as condições para se buscar manter a sobrevivência dessa linhagem, e Thignon Boy possui plenas possibilidades para tal. Como posição no mercado internacional percebe-se hoje uma busca por "novos sangues", Calumet Farm levou para seu "pool" de sementais a Bal a Bali, um raríssimo continuador da linhagem masculina de Man O'War. A genética alemã é disputada no mercado europeu para "refrescar sangue", Allegretta, mãe da notável Urban Sea (Galileo, Sea The Stars e Born to Sea) é basicamente sangue alemão. A criação nacional deve acreditar em nossos garanhões; em nossos Icecapades, Put It Backs, assim como o Japão acreditou em Sunday Silence, a Austrália em Danehill. 

O Japão recentemente importou do Brasil matriz Christine's Outlaw. Por qual razão o mercado externo não compraria filhos de nossos bons Icecapades como Universal Law, High Chris, Joe Owen, Tokay, Tônemaí, Kris Five ou Poker Face? De Skypilot , um muito bom Man O'War? De Jeune-Turc e Ivoire, dois raros Mill Reef?

Acreditar em Thignon Boy pode vir a ser uma interessante estratégia futura de mercado por sua raridade genética.

Entendemos que as melhores oportunidades para o perfil de Thignon Boy sejam filhas de cavalos de média distância ou milheiros com éguas pertencentes a linhagens de velocidade, Redattore, Ay Caramba, Manduro, Molengão, Setembro Chove, Pounced, Wild Event, Christine's Outlaw, Agnes Gold, Silent Name, Cape Town, Vettori e também Out of Control com seu espetacular sangue argentino seria outra opção a se destacar. Ao analisarmos a sua muito reduzida produção à de se notar que é esse exatamente o perfil dos pais das éguas com as quais obteve produção vitoriosa e útil.


P.S. Nesse estudo não pude deixar de relembrar a LEWIS, crioulo do Haras LLC, e com o qual ganhei um BELÍSSIMO trocado quando de sua vitória no GP Cruzeiro do Sul, vencendo Sal Grosso, Timeo, Moryba, Another Xhow, Grapette Repete...

Lewis vencendo o GP Cruzeiro do Sul - 2010.



Não conheço o dr. Claudio Ramos, titular do Haras LLC, mas deixo aqui uma despretenciosa sugestão para uma sua égua, a Nossa Prosa. Como não sei se ele conhece o nosso blog, peço que se algum amigo leitor conviver da sua proximidade, a gentileza de mostrar a ele o hipotético cruzamento abaixo. Tudo pensando no MUITO BOM Lewis...



Thignon Boy encontra-se alojado no Haras Valente.






























segunda-feira, 6 de agosto de 2018

O Horloger e Sea of Class



Será feita uma breve mostra da construção do pedigree de SEA OF CLASS, segundo preceitos da tipologia funcional. Esse pedigree é uma aula sobre o tema e uma reflexão quanto a utilização de inbreedings. Algo totalmente distinto do amontoado, sem sentido quanto a funcionalidade, de nomes apenas “duplicados” que hoje se vê em grande parte dos pedigrees. 

Evidentemente, que pelo atual gargalo genético, as possibilidades matemáticas do sucesso acontecer nessas "duplicações" funcionalmente aleatórias são consideráveis, afinal, nada pode impedir que o efeito “salto” de geração aconteça e traga o desejado. Mas, é algo totalmente distinto de um trabalho refinado, com planejamento consciente sobre o que se busca, e como se busca, quando se leva em consideração a morfologia e herança funcional. 


Hoje, criadores internacionais de maior sucesso na gravitação do PSI não prescindem da utilização de hipólogos em seus times. E esse trabalho para se tentar obter o grande craque nunca é feito de forma solitária, e sim faz parte de uma engrenagem, da qual participam treinadores e veterinários, que somam quanto ao conhecimento comportamental e de saúde dos animais e das linhagens à disposição. A equipe dessa forma compreende de forma clara qual o tipo, as características e a natureza da matéria-prima a seu dispor. E o trabalho do hipólogo, é justamente o de colocar em sintonia fina todos os aspectos das linhas que irão compor o pedigree, com ou sem a utilização de inbreedings. Como um "horloger", o artesão relojoeiro, que afina e azeita o delicado mecanismo de precisão de um velho e confiável relógio a corda. 

Um cruzamento correto é a "radiografia" da essência de um cavalo e ferramenta inicial com a qual é possível objetivar o sucesso na atividade.





Inbreedings:

A) – Miswaki, 3 x 4, Quality chef, reconhecido como transmissor de velocidade intermediária:




Através de Sea The Stars, vencedor dos 1600 aos 2400 metros;  2000 Guinéus, Derby de Epson, Arco do Triunfo, Eclipse Stakes, Juddmonte International Stakes, Irish Champion Stakes, etc.




                            
e Hernando, vencedor dos 2000 aos 2400 metros; Prix Lupin, Prix du Jockey Club (na época disputado sobre 2400 metros), Prix Niel, Prix Gontaut-Biron, 2. Arco do Triunfo, etc. 




B) - Northern Dancer, 5 x 5 x 5, chefe de raça Intermediário/Clássico:





Através de Danzig, chefe de raça Intermediário/Clássico, por sequência masculina em Green Desert, Quality chef + Cape Cross, chefe de raça Clássico + Sea The Stars,


e Nijinsky, 4 x 4, chefe de raça Clássico/Sólido, via Holy Moon:






               Através de Niniski, chefe de raça Clássico/Profissional,



                e Caerleon, Quality chef,





C) - Balidar, 5 x 5, Quality chef,




 através de Young Generation,



 e Balidaress,


                                        
   
Diagrama de dosagem de Sea Of Class






sábado, 4 de agosto de 2018

Kapo di Tutti


Kapo di Tutti, fam. 22-b, castanho, SP, 2005, por Redattore em Granny’s Pie por Ghadeer, de criação e propriedade do Haras Mabruk. É um cavalo que possui tipo físico refinadíssimo, quem o viu desfilar sem selim no paddock após sua vitória no GP Presidente da República, teve a oportunidade de ver a nobreza de um campeão PSI no auge de seu esplendor. Atrevo-me a dizer que o considero mais elegante e harmonioso que seu belíssimo pai. Mesmo sendo um cavalo de temperamento sanguineo, Kapo di Tutti, se apresentou como um elemento de boa categoria em pistas, e por tal razão, foi consagrado em 2009 com o troféu Mossoró como o melhor milheiro em atividade no país. Venceu dos dois aos cinco anos, dos 1300 aos 1700 metros, 18-9-2-4, fez parte de uma interessante geração, a qual pertenciam Fluke, Skypilot, Snack Bar, Lieve, Estrela do Oriente, etc.

Redattore.




Seu pai Redattore em 10 apresentações, sempre no hipódromo da Gávea, obteve 6 vitórias e 3 colocações, sua principal vitória no Brasil foi o GP Pres.da República, G1, 1600 metros. Levado aos EUA levantou um total de U$1.799.883 em prêmios, vencendo o Eddie Read Hcp., G1, 1800m, Shoemaker Breeders’ Cup Mile S., G1, 1600m, Citation Hcp., G2, 1700m, Frank E. Kilroe Hcp., G2, 1600m, San Antonio Hcp., G2, 1800m, San Francisco Breeders’ Cup Mile, G2, 1600m, San Gabriel Hcp., G2, 1800m, sendo segundo colocado no Shoemaker Breeders’ Cup Mile S. G1, 1600m, Inglewood Hcp., G3, 1700m, e terceiro no Eddie Read Hcp., G1, 1800m, Arlington Million, G1, 2000m, Seabiscuit Hcp. e Live the Dream Handicap. Campanha infinitamente superior a imensa maioria dos garanhões estrangeiros importados para servirem de forma definitiva na criação brasileira.


Redattore, possui 29 individuais ganhadores Black Type, tem produzido elementos de grande capacidade locomotora e com físicos exemplares; dentre seus filhos podemos destacar os G1: Olimpo (GP Francisco Eduardo de Paula Machado), Editore (GP Estado do Rio de Janeiro), Zara (GP Margarida Polak Lara), Sutil (GP Diana), Real Secret (GP Ipiranga) e Renânia (GP Roberto e Nelson Seabra) dentre outros. Mesmo com esse muito bom desempenho reprodutivo jamais foi prestigiado em sua plenitude por nosso élevage, confirmando a dificuldade do criador brasileiro em apreciar as qualidades de indivíduos nacionais com grande mérito em pistas para reprodutor. Somos seguramente o único turfe mundial com esse tipo de comportamento para com seus destacados corredores. Nossos bons cavalos quando exportados para esse míster sempre se destacaram como garanhões de enorme ou belo sucesso, podemos citar alguns exemplos como Emerson na França, Lohengrin no Peru, Leroidesanimaux nos EUA, Hawk, Radar e Snooker no Chile, Jolly Joker na Venezuela, Tapuia e Cagney no Uruguai, Dulçor na Alemanha, Latino na Dinamarca... 

Sua mãe, Granny's Pie, uma crioula do Haras Santa Maria de Araras, em suas 3 apresentações obteve duas vitórias e uma colocação. Como reprodutora possui 14 produtos registrados em idade de corrida, 12 correram e 8 venceram (57,10%), Kapo di Tutti é de longe o seu melhor filho. Pallas Cloud, sua terceira mãe, é uma vencedora de G3, em sua época, na Argentina, Clasico Producción Nacional, grama, 1000 metros. Essa é uma linha materna tipicamente neozelandesa, desconhecida para nós, e há de ser melhor observada e estudada.





Ghadeer, foi uma legenda na criação brasileira. Excepcional pai e considerado o melhor avô materno da história do turfe brasileiro. Produziu 65 individuais ganhadores de provas de grupo com 10,73% vencedores Black-type, sendo 27 G1 e é avô materno de mais de 80 ganhadores entre grupos e listeds.

É pai dos G1 Falcon Jet, Mensageiro Alado, Indian Chris, So Beauty, Gulf Star, Gay Charm, Double Dream, Fausse Monnaie, Houret, Ardashir, Duffel, Unifrance, Eternitá, Uni Duni Te, Onefortheroad, Eco Art, Vuarnet, uma lista enorme a ser escrita...

Como o nosso tema é quanto a sua projeção como avô materno podemos rapidamente citar além de Kapo di Tutti a Super Power, Riboletta, Fool Around, Emy Slew, Einstein, Durban Thunder, Irish Lover, Ever Love, Lost Love, Forever Buck, Belo Acteon e É do Sul entre tantos outros. 

Quando potro foi preço recorde em leilão de sua época, sendo adquirindo pelos Maktoum. Como corredor, por razões principalmente devidas a curvilhões, não correspondeu as esperanças nele depositadas. Mas, venceu 3 provas entre França, Inglaterra e Itália, teve no Prêmio Carlo Porta, G3, 2000 metros, o seu mais expressivo resultado. Obteve ainda:

1. Prix des Narcises, 1600 m,
1. Lannie Stakes, 1600 m,
2. Premio Ribot, G2, 1600 m,
2. Grosser Kaufhot, G3, 1600 m,
3. Ocltigen Rennen, G3, 1600 m,
3. Duke of Edimburgh Stakes, LR, 1200.


Kapo di Tutti em sua vitória no GP Presidente da República - SP.




                                                  Campanha

2 anos

3. Prêmio Embalo, 1400 m, GM, Cidade Jardim,
1. Prêmio Jiddah, 1300 metros, GM, Cidade Jardim,
1. Prêmio Páreo Especial Octavio Florisbal, 1600 metros, GF, Cidade Jardim,
2. Prêmio Amor de Cisne, 1600 metros, GM, Cidade Jardim,

3 anos

7. Classico Farwell, L, 1600 metros, GF, Cidade Jardim,
1. Prêmio Skip Away, 1400 metros, GF, Cidade Jardim,
3. Classico Alberto Santos Dumont, L, 1600 metros, GM, Cidade Jardim,
8. Grande Prêmio Governador do Estado, G2, 1600 metros, GP, Cidade Jardim,
2. Prova Especial Nelson de Almeida Prado, 1400 metros, GP, Cidade Jardim,
3. Pesos Especiais Toll Free, 1600 metros, AMR, Cidade Jardim,
1. Pesos Especiais Great Impression, 1600 metros, GM, Cidade Jardim,
1. Grande Prêmio Presidente Antonio T Assumpção Neto, G3, 1600 metros, GM - com o tempo de 1: 32,95 ficando a 0.7 segundo do recorde da pista, Cidade Jardim,
1. Grande Prêmio Presidente da República, G1, 1600 metros, GP, Cidade Jardim,

4 anos

5. Classico Alberto Santos Dumont, L, 1600 metros, GP, Cidade Jardim,
1. Grande Prêmio Governador do Estado, G2, 1600 metros, GF, Cidade Jardim,
3. Gran Premio Internacional Joaquin S de Anchorena, G1, 1600 metros, GL, San Isidro - Argentina,

5 anos

1. Allowance - US$ 33.792, 1700 metros, GL - com o tempo de 1: 45,05 ficando a 0,6 segundo do recorde da pista, Golden Gate Fields - EUA. 

Obs: Após sua única apresentação vitoriosa nos Estados Unidos, Kapo di Tutti sentiu em treinamento, sendo retirado das pistas e reimportado por seu criador e proprietário para servir na reprodução.

Entendemos que Kapo di Tutti é um garanhão que reúne plena capacidade para transmitir de forma consistente o "sangue" de Ghadeer, além de ser um qualificado representante masculino de Roi Normand por Redattore, sendo este, em nossa opinião, o segundo melhor garanhão nacional a servir no Brasil nas últimas décadas. 

Ghadeer venceu as estatísticas brasileiras de:

90/91, 91/92, 92/93, 93/94, 94/95, 95/96 e 96/97 como reprodutor,
97/98 como reprodutor e avô materno,
98/99, 99/00, 00/01, 01/02, 02/03 e 03/04 como avô materno.

Kapo di Tutti serve no haras em que nasceu. Acreditamos que o Mabruk, que já mais do que provou sua excelência na arte de criar destacados cavalos encontra-se em "modo de espera", provavelmente aguardando algum fato novo que alavanque a economia brasileira e a reboque o turfe. Consequentemente, a utilização de seus dois excelentes garanhões residentes, Kapo di Tutti e Locomotion encontra-se bastante reduzida pela situação que vivemos. Mesmo assim, com apenas 3 diminutas gerações e 14 animais em idade de corrida, dos quais 8 correram e 7 são vencedores já se destaca Tiepollo, 2. GP Presidente da República - RJ, G1, 1600 m e 2. GP Presidente Vargas, G3, 1600 m, que também defende em pistas as sedas do dr. Samir Abdenour, proprietário do Haras Mabruk.