quinta-feira, 14 de junho de 2018

A Importância da Água na Criação do PSI


Sede. Haras Guanabara

As regiões européias mais bem sucedidas na  criação dos cavalos de puro sangue de corridas não surgiram por acaso, elas se desenvolveram ao longo dos anos em razão da inúmera quantidade de bons animais que nelas nasceram e foram criados. Na Inglaterra destacam-se os campos de Yorkshire, Suffolk, Berkshire, Reading, Gloucestershire, Beckhampton e a região oeste de Sussex. Na Irlanda, as áreas no entorno de Dublin, oeste de Meath, Kildare, Cork, Cahir, Bansha, Doon, Monard, Oola, Palas Green, Adare e Patrickwell. Na França, os principais haras concentram-se no Calvados, Orne e na região de divisa entre os departamentos de Sarthe e Mayenne.



Estação de Tratamento de Água. Haras Guanabara.

Todas essas regiões possuem um aspecto comum, a pureza e qualidade de suas águas, originárias tanto de fontes naturais como de poços artesianos. Segundo trabalho de Burkhardt, J. foram pesquisadas 150 amostras de diversos haras localizados na Inglaterra, e foi constatado que, "yearlings” saudáveis de locomotores apresentavam em comum terem sidos criados em campos cujas águas possuíam teor de cálcio, entre 180 a 300 partes por milhão, além de magnésio + fósforo em percentuais adequados e ricas em sulfatos. Constatou-se, que a incidência de animais com dificuldades nos anteriores oriundos de propriedades cujas águas possuíam teor de cálcio inferior a 90 ou superior a 300 partes por milhão era muito elevada. Por esse mesmo estudo, os problemas que se apresentavam mais comuns eram, sobreosso, pontas inferiores do radio engrossadas, sesamóides com muita tendência a inflamações, desarticulação das juntas do boleto e doenças podais. Outro aspecto também observado, é que essas anomalias começavam a surgir com mais freqüência na primavera, quando o crescimento ósseo é mais rápido devido a abundância de pastagens e quando os joelhos e boletos ainda fracos para o peso, se esforçam em razão do galope da potrada em solo seco. Sendo que os sobreossos e as manqueiras de joelho "estouravam" em forma geral nos inícios do treinamento desses animais.



Pavilhão de Garanhões. Haras Guanabara.



Piquetes. Haras Guanabara.



Maternidade. Haras Guanabara.



Cocheira dos potros. Haras Guanabara.



Cocheira das éguas e administração. Haras Guanabara.


O notável veterinário chileno dr. Arturo Anwandter Paz ao assumir o comando técnico da criação do Haras Guanabara e diante de problemas que já haviam sido observados e relatados no estado de São Paulo pelo dr. Octavio Dupont no relacionado a questões relativas a carências minerais, mandou de imediato analisar a água da principal nascente da propriedade. Como essa água não se apresentou dentro do padrão de mais alta qualidade, dr. Roberto Seabra construiu uma E.T.A. para a devida adequação da mesma aos padrões de excelência que seu nível de criação exigia. A água era então tratada em sua dosagem mineral e com seu teor de cálcio sempre variando entre 180 e 250 p.p.m. a depender da época do ano, do tipo de adubação e correções praticadas nos piquetes. Essa água, após tratamento, era distribuída por gravidade para todos os piquetes, cocheiras, sede, etc. A passagem do dr. Arturo Anwandter correspondeu a época de “ouro” do Haras Guanabara.

Curiosidade: O grande craque argentino Arturo A, assim foi batizado como uma homenagem do Haras Las Ortigas ao dr. Arturo Anwandter. Para termos uma ideia do grau de investimento levado a termo pelos irmãos Roberto e Nelson Seabra no Guanabara, fora a grandiosidade das instalações e a qualidade das importações, o que não deve ter custado na década de 50 trazer da Argentina o veterinário de maior prestigio na América do Sul para residir no Haras Guanabara, distante 200 km do Rio de Janeiro.

O Brasil possui áreas próximas a importantes núcleos de criação que oferecem condições de solo, relevo e água adequados a uma criação de primeira grandeza, e que deveriam ser levadas em consideração antes da instalação de um haras. Como exemplo, pode ser citado o "pequeno e modelar" Haras Curitibano, que além de se situar sobre uma nobre mancha de Latosolo Roxo Eutrófico, encontra-se dentro da importante jazida Ouro Fino, e consequentemente possui a sua disposição das mais consideradas águas minerais do Brasil. Não é por acaso, que, sempre com poucos nascimentos por geração, o Curitibano de forma contumaz se destacou através do desempenho de seus produtos. Os campeões internacionais Gandhi di Job e Boby di Job são seus crioulos.




                                                                                                                           
Haras Curitibano.


O sucesso no PSI é um somatório de vários fatores, que se iniciam na escolha certa da localização do haras, num correto manejo, passando por estudos genealógicos e que termina nos hipódromos com um bom treinamento e direções cuidadosas.



Farda do Stud Seabra.

terça-feira, 5 de junho de 2018

Didimo


Didimo, fam. 4, castanho, 2008, RS, de criação do Stud Eternamente Rio e propriedade de Abrahão Assam Filho é um descendente de Nedawi em Qualibet por Burooj. Trata-se de um cavalo com físico equilibrado e elegante, sendo, também, dono de belíssima cabeça que expressa a nobreza de sua linhagem. Possui, além, importante inbreeding 3 x 4 x 5 sobre Northern Dancer, através de Danzig, da campeã Northernette e da grande campeã e importante mãe Dahlia.

Didimo na tarde do GP Brasil 2012.


Foto Márcio de Ávila Rodrigues.


Nedawi, seu pai, apresentou muito boa campanha, 7-3-2-1, venceu o St. Leger Stakes, G1; Gordon Stakes, G3; 2. King George VI and Queen Elizabeth Stakes, G2 e 3. Leith’s July Trophy, L. Notável garanhão entre nós é pai de 49 individuais ganhadores em provas de grupo, sendo 16 em G1, possuindo um índice de 6,21% que o coloca no principal patamar dos reprodutores que já serviram no Brasil. Dentre seus filhos além de Didimo podemos citar, entre vários, alguns nomes: Very Nice Moon, GP Immensity, G1; Generosidade, GP OSAF, G1; La Defense, GP Roberto e Nelson Seabra, G1; Right Idea, GP Diana, G1 ; Desejo Infinito, GP Henrique de Toledo Lara, G1; Parapatibum, GP Barão de Piracicaba, G1; Mr Nedawi, GP Paraná, G1; Fuco, GP Linneo de Paula Machado, G1 e Core Business, GP Derby Paulista, G1.

Apesar de sua principal vitória ter sido em uma prova de fundo, Nedawi se apresentou em corrida como um indivíduo dono de forte “pointe de vitesse”, aquela capacidade de aceleração final muito importante para credenciar um animal como possível candidato ao sucesso na reprodução. Conseqüentemente, foi capaz de produzir uma Ever Love que venceu nos 1400 metros do GP Presidente Guilherme Ellis, G3; Cruzada Americana nos 1500 metros do GP João Cecílio Ferraz, G1; Quick As Ray nos 2000 metros do GP Diana, G1 e Faz de Conta nos 2400 metros do GP Zélia Peixoto de Castro, G1, isso ficando apenas em exemplos femininos. Os filhos de Nedawi venceram dos 1000 aos 3200 metros, tanto na pista de grama como na de areia, o que evidencia de forma clara a sua versatilidade como pai. 

Há que se destacar que o melhor arenático brasileiro das últimas décadas Mr Nedawi também é seu filho, lamentavelmente esse cavalo encontra-se no pior inferno astral que se pode esperar dentro da criação nacional, pois além de ser brasileiro é um especialista na areia... Não é possível compreender como os haras do Uruguai ainda não "enxergaram" Mr Nedawi, um cavalo portador de régio pedigree, que certamente contribuiria com ótimo classicismo para a criação uruguaia. Afinal, vencer por duas vezes o Dardo Rocha e mais o Ramirez não é pouco feito.

Mr Nedawi





O lindo Nedawi. 





Fotos Ninho do Albatroz.


Seu avô materno Burooj, 21-7-5-4 na Inglaterra, teve em sua vitória no Bonusprint September Stakes, G3 em 1600 metros o seu melhor resultado, obteve um segundo no Pertemps Jockey Club Stakes, 1800 m, G3 e um terceiro no Cumberland Lodge Stakes, 2400 m, G2. Foi um reprodutor bastante útil, tendo produzido os vencedores de G1 Hot Six, GP Associação Latinoamericana de Jockeys Clubs e Hipódromos; Coquetel, GP Derby Paulista e GP J. Adhemar de Almeida Prado - Taça de Prata, Byzantium, GP Ipiranga; Detective, GP Jockey Club de São Paulo, Dá-lhe Grison, GP Paraná e Baccarat, GP Paraná, mais inúmeros G2 e G3. Burooj pertence a uma ramificação materna de bastante sucesso, sua avó, Queen Sucreé, é mãe do Kentucky Derby winner Cannonade e dela descendem inúmeros vencedores de grupo nos EUA.

Burooj.




Qualibet, sua mãe, é uma vencedora de duas carreiras. Com 7 produtos em idade de corrida, 5 correram e todos venceram, ela se apresenta como uma mãe de muito bom mérito, pois além de Didimo produziu sua irmã inteira La Vie En Rose, 1. GP Duque de Caxias, G2 e GP José Paulino Nogueira, G3, além de um excelente segundo lugar no GP OSAF, G1 disputado em 2017. Sua outra filha, a exportada Emerald Fire (Crimson Tide) obteve um 4. GP Roger Guedon, G3. A quarta-mãe de Qualibet, Northernette, foi a “Champion filly” aos 2 e 3 anos no Canadá, com 13 vitórias dos 2 aos 4 anos,  Selene Stakes, G1; Top Flight, Handicap, G1; Apple Blossom Handicap, G2 e o Canadian Oaks, G3 foram suas principais conquistas. Trata-se de uma irmã inteira de Storm Bird.


Didimo em sua vitória no Grande Prêmio Brasil.




                                               Campanha

2 anos

1. Prova Especial Jayme Torres – C, 1400 m, GM, Cidade Jardim,
4. Prêmio Boker Tov – 2008, 1600 M, GF, Cidade Jardim,

3 anos

6. Prêmio Umberto Ottaviani, 1800 m, AP, Cidade Jardim,
1. Prêmio Florenzo, 2000 metros, GM, Cidade Jardim,
2. Grande Prêmio Oswaldo Aranha, G2, 2400 metros, GP, Cidade Jardim,
3. Grande Prêmio São Paulo, G1, 2400 metros, GM, Cidade Jardim,
1. Grande Prêmio ABCPCC - Matias Machline, G1, 2000 metros, GP, Cidade Jardim,

4 anos

1. Grande Prêmio Brasil, G1, 2400 metros, GM, Gávea,
1. Prova Especial Thignon Lafré, 2400 metros, GM, Cidade Jardim,
3. Gran Premio Internacional Carlos Pellegrini, G1, 2400 metros, GL, San Isidro – Argentina.


Didimo, a princípio, teve no Grande Prêmio Brasil de 2012 a sua principal vitória, quando derrotou parelheiros de muito boa qualidade em um dos campos mais equilibrados dos últimos anos, podemos citar dentre eles os G1 Cisne Branco, GP Cruzeiro do Sul; Hunka Hunka, GP Diana; Tônemaí, GP Francisco Eduardo de Paula Machado e Invictus, GP São Paulo. Todavia, consideramos a sua terceira colocação no GP Internacional Carlos Pellegrini 2012 como o seu mais importante feito. O peso é um aspecto de suma importância em uma corrida de cavalos, e a tabela de pesos do GP Pellegrini em questão observou uma diferença de 7 kg entre os 3 anos e os de 5 anos e mais, uma criticável margem, que, em nosso entendimento, tornou o nível da competição injusto para com os mais velhos. Os potros de 3 anos foram contemplados com 54 kg, os 4 anos carregaram 60 kg e os de 5 e mais idade levaram 61 kg.

Almirante Henry John Rous, quando nomeado handicapper público no Reino Unido, introduziu a escala de peso por idade (WFA). WFA é uma das condições para uma corrida, e significa que um cavalo terá um peso definido de acordo com a mencionada escala. Esse peso, segundo a ideia original, variava de acordo com a idade do cavalo, seu sexo, distância da corrida e mês do ano. O WFA é um método para se tentar igualar o progresso físico que um cavalo de corrida leva até a sua maturidade e a diferença entre sexos. Rous experimentou pesos até chegar a uma relação entre idade, sexo e maturidade, concluindo a premissa: “1 quilo equivale a 3 metros de diferença, em 2000 metros de percurso sobre a grama macia.” 

Como um cavalo tem aproximadamente 2.45 metros de comprimento equivale dizer que cada 1 quilo corresponde a aproximados 1.23 corpos de diferença, 2 quilos seria igual a 2.46 corpos, e assim sucessivamente. Ou seja, a diferença de peso entre Didimo com 60 kg e o vencedor da prova que carregou 56 kg, nos dá 12 metros ao ganhador, aproximados 4.9 corpos de vantagem. Going Somewhere, o vencedor carregou 56 kg (opção do treinador), o segundo colocado foi o potro argentino Indy Point (3. Breeder’s Cup Turf, USA, G1), que levou 54 kg e ficou a pescoço, Didimo com 60 kg ficou a um corpo de distância. Nos cabe uma reflexão sobre se a ultrapassada tabela de peso levada a termo nessa prova influenciou de forma negativa no resultado da mesma. No nosso entendimento a resposta é sim. Se pudermos compreender a figura de um “vencedor moral”, o vitorioso do GP Carlos Pellegrini 2012 foi Didimo.

Didimo no haras.



A primeira geração de Didimo nasceu em 2014, possuindo 21 produtos registrados. Sendo 14 em idade de corrida, dos quais 7 correram e 3 venceram. A potranca Olympic Harbor, de sua primeira geração, já se apresenta na esfera clássica com uma boa quarta colocação no GP Prefeito Fábio da Silva Prado, G2 nos 2000 metros da grama de Cidade Jardim. Acreditamos que Didimo tenha plena possibilidade de se tornar um digno herdeiro do sucesso de seu pai na reprodução, certamente ele é hoje uma das maiores esperanças da criação nacional.

Informações sobre coberturas com o sr. Marcio N. Boiman                   11 98450-4325.




quarta-feira, 16 de maio de 2018

Flymetothemoon e Ay Caramba


Flymetothemoon, fam. 26, c, 2005, RS, nascido e criado no Haras Doce Vale, é um filho de Roi Normand em Onefortheroad por Ghadeer. Obteve em suas brilhantes vitórias no Grande Criterium e GP São Paulo os seus mais expressivos resultados.

Roi Normand, seu pai, foi um garanhão de extremo sucesso entre nós. Tendo produzido 53 vencedores individuais de grupo, tanto no Brasil como no exterior, sendo, 24 G1, 11 G2 e 18 G3, também se apresentou como um avô materno de muito bom padrão. De seus filhos basta nomear Riboletta, Redattore e Super Power para confirmar seu explêndido sucesso na reprodução. Em corrida obteve 5 vitórias e 4 colocações em 17 apresentações, venceu o Sunset Handicap, EUA-G1, 2400 m e o Ark-la-Tex Handicap, EUA-G3, em 1800 metros, ambos na grama.

Roi Normand.



Seu avô materno Ghadeer, preço recorde na europa em leilão por muitos anos, não confirmou nas pistas as esperanças nele depositadas pelo staff de HRH Sheik Maktoum Al Maktoum, sua vitória no G3 italiano Premio Carlo Porta em 2000 metros foi o seu mais importante resultado. Provavelmente seja o mais bem sucedido reprodutor na história do turfe nacional, tendo produzido 65 individuais ganhadores de grupo com 10,73% em vencedores Black-Type, sendo 27 G1 e é avô materno de mais de 80 ganhadores de grupo.

Ghadeer.




Sua mãe Onefortheroad possui 36,36% em vencedores Black Type, ela pertence a um ramo materno de imenso sucesso no Brasil fundado por Court Lady, uma filha da irlandesa Redbrick por Crepello, brilhante vencedor do Derby de Epson, e que tem como avó materna Rosalba, ganhadora das duas principais milhas inglesas para éguas, Coronation Stakes, G1 e Queen Elizabeth Stakes, G1. Redbrick é uma importação do turfman José Mariano de Camargo Raggio, o principal responsável pelo “boom” Bagé quando da implantação de seu modelar Haras Sideral naquelas plagas. Hoje, quase 45 anos após, o também modelar Haras Doce Vale, estabelecido em terras do antigo Sideral, usufrui do explêndido trabalho de infraestrutura e arborização levado a termo por Mariano Raggio. Em nossa opinião o Haras Doce Vale é o mais lindo e encantador campo de criação da região de Bagé.

Court Lady, GPs OSAF, G1; GP 25 de Janeiro, G2; GP Luiz Fernando Cirne Lima, G3 (2x); GP Pres. CCCCN, G3; GP Pres. Luiz Oliveira de Barros, G3 e Clássico Imprensa, G3, é mãe de:

a – Onefortheroad,

GP Diana (CJ), G1, 2000 m,
GP Henrique Possolo, G1, 1600 metros,
GP Carlos Telles e Carlos Gilberto da Rocha Faria, G2, 2000 m,
GP João Adhemar e Nelson Almeida Prado, G3, 1600 m,
2. GP Diana (GV), G1, 2000 metros,
3. GP ANPC, G3, 2000 metros,
4. GP Cruzeiro do Sul, G1, 2400 metros, mãe de:

     - Ay Caramba (irmão inteiro de Flymetothemoon), descrito ao fim da postagem.
     - Flymetothemoon, sendo descrito.
     - Cherie Gigi, mãe de:
               Nostalgie, GP Margarida Polak Lara, G1 e 2. GP Euvaldo Lodi, G3.

     - Platine, GP Adayr Eiras de Araújo, G3.
     - Bye Bye Caroline, vitória, mãe de :
               I Say you Stay, GP João Borges Filho, G2; 2. GP Finah, G3; 3. GP Almirante Marquês de Tamandaré, G2 e GP Pres. Arthur da Costa e Silva, G3.

- É Isso Aí, GP Diana (CJ), G1; 2. GP Francisco Villela de Paula Machado, G2 e 3. GP Barão de Piracicaba, G1.

b  -  Molengão, reprodutor clássico, 5 vitórias (4 EUA) e 9 colocações em 17 saídas.

1. San Antonio Handicap , G2, EUA,
1. Mervyn LeRoi Handicap, G2, EUA,
2. Santa Anita Handicap, G1, EUA,
2. Sunset Breeder's Cup Handicap, G1, EUA,
3. Native Dancer Handicap, G3, EUA,
4. Hollywwod Gold Cup, G1, EUA

c  – New Rochelle, GP João Cecilio Ferraz, G2,

d – Route Sixty Six, mãe de:

        -  Double Trouble, GP Carlos Telles e Carlos Gilberto da Rocha              Faria, G2.

e -  Ohneguinha,

2. GP Luiz Fernando Cirne Lima, G3,
3. GP Juliano Martins, G1.

f – Forty Carrots, vitórias, mãe de:

        - Mud Pie, GP Roberto e Nelson Seabra, G1 e 3. GP Henrique de Toledo Lara, G1.
        - Orange Box, 3. GP Cruzeiro do Sul, G1; GP Francisco Eduardo de Paula Machado, G1 e GP Frederico Lundgren, G3.

g – New Bobcat, GP Pres. Emilio Garrastazu Médici, G2.


Flymetothemoon em sua vitória no GP São Paulo




                                                   Campanha 

2 anos

7. Prêmio Baronetti, 1400 m, AB, Gávea,
10. GP Nestor Jost, G3, 1500 m, GB, Gávea,

3 anos

4. Prêmio Haras Guanabara, 1600 m, GM, Gávea,
1. Prêmio Asociacion Latinoamericana de Jockey Clubs y Hipódromos, 1600 metros, GL, Gávea,
1. Clássico Justiça do Trabalho – 1 Região, L, 2000 m, GB, Gávea,
1. Grande Prêmio Linneo de Paula Machado, G1, 2000 m, GP, Gávea,
3. Grande Prêmio Derby Paulista ***, G1, 2400 metros, GP, Cidade Jardim,
2. Seletiva GP Latinoamericano, 2000 metros, GP, Cidade Jardim,
S/C. GP Latinoamericano, G1, 2000 metros, GP, Cidade Jardim, rodou na entrada da grande curva quando estava na quarta posição,
1. Grande Prêmio São Paulo, G1, 2400 metros, GP, Cidade Jardim,

4 anos

2. Grande Prêmio Brasil, G1, 2400 m, GP, Gávea,
4. Grande Prêmio Antonio Joaquim Peixoto de Castro Junior Gonçalves, G2, 2400 m, GM, Gávea,

5 anos

6. Grande Prêmio Dezesseis de Julho, G2, 2400 metros, GM, Gávea,
6. Grande Prêmio Brasil, G1, 2400 m, GM, Gávea,
3. Grande Prêmio Antonio Joaquim Peixoto de Castro Junior Gonçalves, G2, 2400 m, GE, Gávea,
4. Grande Prêmio Almirante Marquês de Tamandaré. G2, 2400 metros, G2, 2400 m, GM, Gávea.


Flymetothemoon dentro de parâmetros brasileiros apresenta um régio pedigree (os franceses diriam que ele nasceu em pourpre), sua linha baixa, como já vimos acima, é extremamente bem sucedida do ponto de vista clássico no Brasil. Trata-se de um cavalo com modelo bastante elegante, de bom porte, extremamente equilibrado, dono de bela cabeça e ótima expressão. Em linhas gerais, lembra muito seu pai, Roi Normand, mas para melhor enquanto distinção e nobreza.


Como corredor foi um parelheiro de muito boa categoria tendo se sagrado vencedor do Grande Prêmio São Paulo - 2009, uma prova que contou com um dos mais fortes campos dos últimos anos, Top Hat, Time for Fun, Jeune-Turc e Mr. Nedawi foram alguns de seus contendores.

Por uma deferência de seus proprietários, Alfredo Grumser e Patrícia Bozano, para com a grande dama do turfe brasileiro sra. Margarida Polak Lara, Flymetothemoon foi cedido por arrendamento ao Haras Faxina. Infelizmente ele foi apresentado para servir a esse grande celeiro de campeões em seu ocaso, mesmo assim, em sua primeira fornada ofereceu Enfim do Faxina, 5-3-1-1, um potro ao que tudo indicava por suas atuações teria enorme possibilidade de vir a ser um dos líderes de sua geração em São Paulo, mas que morreu ao entrar nos 3 anos vitimado por cólicas. Com 19 produtos em idade de corrida, 6 indivíduos foram apresentados as pistas, dos 13 produtos restantes que não correram 5 (38,49%), eram crias do Faxina e não foram adquiridos quando de sua liquidação, ficando com posterior paradeiro ignorado. Dos 6 que correram, 3 venceram e 1 foi colocado em prova Black-Type. 

Enfim do Faxina.



Temos plena convicção que Flymetothemoon com o seu retorno a Bagé e "real" início na reprodução se apresentará como uma bela surpresa ao élevage nacional. Paper Plane, 5. GP Mario de Azevedo Ribeiro, G3, fruto de sua primeira geração gaúcha, 2015, nos indica o verdadeiro norte desse garanhão. 

Adendo: 

AY CARAMBA.



Ay Caramba, c, 2000, RS, também de criação e propriedade do Haras Doce Vale, é um irmão inteiro de Flymetothemoon e com características totalmente distintas quer em tipo físico como em características de corredor. A grosso modo poderíamos dizer que, Ay Caramba é Onefortheroad e Flymetothemoon é Roi Normand. Em que pese as limitadas oportunidades recebidas por Ay Caramba na reprodução, ele se destaca como um reprodutor de grande sucesso, possuindo hoje 45 produtos em idade de corrida, 34 correram e 28 venceram, o que nos dá um impressionante índice de 74,59% de ganhadores e 8,83% vencedores e/ou colocados Black Type. My Chérie Amour, GP Brasil, G1; I Scream, GP OSAF, G1; Ordinary Love, 2. GP Margarida Polak Lara, Orange Box, 3. GP Cruzeiro do Sul, GP Francisco Eduardo de Paula Machado e 3. GP Frederico Lundgren, mais Inca Ruler, com diversas colocações em provas de grupo são os seus melhores filhos.


Ay Caramba em sua vitória no Oceanpot Stakes, G3.



                                             Campanha

2 anos

3. Prêmio Fuji-Yama, 1300 metros, AP, Gávea,
1. Prêmio Santos Dumont, 1500 metros, GB, Gávea,
1. Grande Prêmio Costa Ferraz , G3, 1600 metros, GB, Gávea,
1. Grande Prêmio ABCPCC, G1, 1600 metros, GB, Gávea,

3 anos

1. Prova Especial João Vieira, 1600 metros, GM, Gávea,
6. GP Linneo de Paula Machado, G1, 2000 metros, GP, Gávea

EUA 


1. Oceanpot Stakes, G3, 1700 metros, GB, Monmouth Park,
1. Caesar Rodney Handicap, 1800 metros, GB, Delaware Park,
3. River City Handicap, G3, 1800 metros, GP, Churchill Downs,

4. Shadwell Turf Mile, G1, 1600 metros, GB, Keeneland.

Observação importante: A nossa postagem no blog, deu principal ênfase a Flymetothemoon não por uma questão de acreditarmos que ele seja superior a Ay Caramba, e sim, por ser mais recente na memória turfística. Entendemos que ambos são dois excepcionais cavalos, sendo que, Ay Caramba já está mais que provado como reprodutor, mesmo em que pese as mínimas oportunidades a ele oferecidas na reprodução e Flymetothemoon é uma enorme esperança de sucesso. Pelas campanhas poderíamos compreender que Ay Caramba teria filhos mais aptos até a milha e Flymetothemoon para maiores distâncias, mas, a vitória de My Chérie Amour, 5-3-2-0, no GP Brasil nos mostra quão complexo são os mistérios da genética no PSI. 

Escolhas serão sempre escolhas...




sábado, 28 de abril de 2018

Uareademon


Uareademon, Fam. 4, tordilho, RS, 2010, por Watchmon e Universal Rara por Ramirito de criação e propriedade do Haras Cruz de Pedra, imponente e equilibrado cavalo em seus 570 quilos quando em corrida, foi um arenático de excelente qualidade, obteve quatro vitórias, um segundo e um quarto em seis apresentações, nunca estando fora da pedra. Sua vitória na Polla de Potrillos – Maroñas - Uruguay foi seu principal feito.

Seu pai Watchmon, é um filho de Maria's Mom, com 18 - 4 - 3 - 3, teve em sua vitória no G3, Jamaica Handicap, grama, em 1800 m e o recorde em um Allowance, nos 2300 metros da grama de Gulfstream Park, os seus melhores resultados. Como reprodutor tem em Uareademon, de longe, o seu melhor produto e o consideramos um ponto fora da curva na produção de Watchmon. 

Seu avô paterno, o muito bom reprodutor Maria’s Mom (champion 2& old nos EUA), venceu o Champagne Stakes, G1, Belmont Futurity Stakes, G1 e o Sanford Stakes, G2, em que pese, ter sido precoce e ligeiro, notabilizou-se por ser um transmissor de resistência a seus filhos, produziu mais de 40 ganhadores clássicos.


Maria's Mom.


Seu avô materno Ramirito foi um excelente milheiro em sua época, quando enfrentou fortíssimos exemplares como Flying Finn, Falcon Jet, Villach King, Vuarnet, Houret, Similar, Lord Ronald, entre outros. Suas principais vitórias foram GP Estado do Rio de Janeiro, G1, 1600 m; Copa ANPC – Clássica, G1, 1600 m; GP Presidente Vargas, G2, 1600 m; Copa ANPC – Milha, G3, 1600 m e GP Costa Ferraz, G3, 1500 m. Na distância clássica foi 4. GP Cruzeiro do Sul, G1.



Ramirito em sua vitória na Copa ANPCC - Clássica.


Universal Rara possui 37,50% em ganhadores e colocados Black Type com 25% de vencedores nessas provas (números Stud Book), pertencendo a uma linha materna brasileira fundada por Urisca (élevage Paula Machado) que vêm se destacando de forma consistente em nossa criação principalmente através do ramo de Ola I Ask, abaixo comentada:

Ola I Ask, 40% em ganhadores e colocados Black Type com 13,33% de vencedores nessas provas (números Stud Book) é mãe de:

a - Grand I Ask

1. GP OSAF, G1, 2000 m,
1. GP Luiz Fernando Cirne Lima, G3, 1800 m,
2. GP Presidente Sylvio Álvares Pentado, G3, 2000 m,
3. GP Roberto e Nelson Grimaldi Seabra, G1, 2000 m.

b - Temmais Style

3. GP Presidente Luiz Oliveira de Barros, G2, 1800 metros.
mãe de:
     - Quartel General, 2. GP CPCCSP, G3, 2400 m.

c - Universal Rara, mãe de:

     -        Universal Law, 13 apresentações com 7 vitórias, 1 segundo e 1 terceiro, 1. GP São Paulo, G1, 2400 m,  1.GP Francisco Eduardo de Paula Machado ***, 1. G1, 2000 m, 1. GP Copa ABCPCC Clássica Mathias Machline, G1, 2000 m, 1. Copa dos Campeões, G2, 2000 m, 2. GP Presidente da República, G1, 1600 metros, 3. GP Latinoamericano, G1, 2000 m, 3. GP Estado do Rio de Janeiro ***, G1, 1600 m.
    -         Uareoutlaw, 6 apresentações com 3 vitórias, 2 segundos e 1 terceiro, 1. GP J Adhemar de Almeida Prado – Taça de Prata, G1, 1600 m, 1. GP Presidente José de Souza Queiroz, G2, 1400 m, 2. GP Juliano Martins, G1, 1600 m.
    -        Uareademon, sendo descrito.

d  -    Uai I Ask, 3. GP Copa dos Campeões, G2, 2200 m.

e - Xiririca da Serra, 33,33% em ganhadores e colocados Black Type com 22,22% de vencedores nessas provas (números Stud Book),

1. GP José Guathemozin Nogueira, G1, 2400 m,
3. GP Marciano de Aguiar Moreira, G1, 2400 m.
mãe de:

-         Jaspion Silent, 1. GP São Paulo, G1, 2400 m, 1. GP 14 de Março, G3, 2400 m, 1. GP Escorial, G3, 2400 m, 2. GP Farwell, G1, 1600 m, 2. GP Derby paulista, G1, 2400 m, 2. GP Almirante Tamandaré, G2, 2400 m, 2. GP Linneo de Paula Machado, G3, 2000 m, 4. GP Jockey Club de São Paulo, G1, 2000 m.
-         Kandido Hat, 2. GP FINAH, G3, 2000 m, 2. GP João Borges Filho, G2, 2400 m, 4. GP 14 de Março, G3, 2400 m, 4. GP Antonio Joaquim Peixoto de Castro JR, G2, 2400 m, 4. GP Almirante Marquês de Tamandaré, G2, 2400 m.

Quando surge uma mãe como Universal Rara o que se percebe é a observação de alguns, de que sendo ela uma Ramirito, um Clackson, em mãe Grimaldi, trata-se de uma eventualidade o seu surgimento. Mas, se formos mais a fundo e vermos que ela é o único elemento nascido que corresponde a cruza Ramirito-Grimaldi podemos perceber que o índice de acerto foi de 100% para o nascimento de uma mãe de inquestionável qualidade, e nessa mesma seqüência matriarcal ao vermos que Ola I Ask, outra excepcional mãe brasileira, também representa o único acasalamento de Grimaldi sobre filha Analogy, temos novamente 100% de acerto, e a percepção do surgimento de um novo ramo ventral, ou sub-família, no pool genético do PSI.

Obs: Não é objetivo desse blog apresentar estudos sobre linhas maternas, mas nesse caso cumpre destacar alguns ganhadores de provas de grupo a partir da fundadora Urisca, fora o ramo de Ola I Ask já tratado acima, são eles: Siphon – G1, Verinha – G1, Chang Tong – G1, Ivoire – G1, Poutioner – G1, Reselá – G2, Spring Star – G2,  Foix –G3, Alcazar – G3, Senateur – G3, Color Prospector – G3, dentre outros.


Uareademon além do bom mérito genético, foi um arenático de muita qualidade, tendo vencido aos 2 e 3 anos, dos 1400 aos 2300 metros.



 Uareademon em sua vitória na Polla de Potrillos.


                                                     Campanha 


2 anos

1. Prêmio Bubbly Jane, 1400 m, AMR, Cidade Jardim,

3 anos

1. Prêmio Buffalo, 1600 m, AMR, Cidade Jardim,
1. Copa ABCPCC – Regional, G3, 1600 m, AS, Tarumã,
1. GP Polla de Potrillos, G1, 1600 m, AM, Maroñas, Uruguai,
1. Classico Carlos Reyles, L, 2300 m, AM, Maroñas, Uruguai,

4 anos

2. Grande Prêmio Presidente Antonio Correa Barbosa, G3, 2200 m, AMR, Cidade Jardim,
4. Grande Prêmio Bento Gonçalves, G2, 2400 m, AM, Moinhos de Vento.



Uareademon em Maroñas.

Como adendo, após sua vitória na Polla de Potrillos Uareademon se golpeou na cocheira machucando uma mão e um joelho, que logo inflamaram, o afastando do GP Jockey Club (segunda prova da tríplice-coroa uruguaia). Uareademon, apesar de ser extremamente tranquilo, tem o hábito de se revolver na cama ao ser solto no box, e por seu grande tamanho... Após esse contratempo e pelo período de inatividade, foi apresentado no listed Carlos Reyles, como prova preparatória para o GP Nacional (terceira prova da tríplice-coroa), onde sofreu uma lesão e necessitou ser submetido a procedimento cirúrgico, seguindo para descanso no haras. Após 1 ano de parado retornou no Pres. Antonio Correa Barbosa quando foi segundo, levado ao Bento Gonçalves sentiu novamente a antiga lesão e foi retirado ao Cruz de Pedra para servir na reprodução.

Uareademon, é o típico exemplo de um indivíduo amparado por uma família materna consistente, fruto de um cruzamento que alguns consideram como de inferior qualidade por ser “outbred” e não carregar nomes da “moda”, a exceção de Mr. Prospector em sua quinta geração. Uareademon é aberto de sangue Northern Dancer, importante opção que deve ser considerada para planejamento de futuros cruzamentos. Uareademon herdou características de corrida de seus dois avôs, Ramirito, do qual é uma cópia fiel em seu tipo físico, e de Maria's Mom. Não é possível ver em Uareademon nada de Watchmon, quer seja em tipo ou características corredoras, não seria ilógico concluir que via Watchmon tenha herdado não só a pelagem, mas também a precocidade e velocidade de Maria’s Mom.

Em nossa opinião o Haras Cruz de Pedra fez a opção correta para pastor-chefe de seu campo de criação ao apostar suas fichas no tordilho Uareademon.





quinta-feira, 26 de abril de 2018

High Chris


Foto: Sylvio Rondinelli.

High Chris, Fam. 5, castanho, RS, 2013, por Christine’s Outlaw e High Castle por Inexplicable, de criação do Haras Cruz de Pedra e propriedade do Stud Quintela, em seis partidas obteve cinco vitórias e uma descolocação , venceu na grama e areia sempre com inegáveis mostras de qualidade. Manteve-se invicto em suas 4 primeiras apresentações, em seu quinto cotejo, a Copa ABCPCC Clássica – Matias Machline, terminou na sétima colocação, a 4 ½ corpos do vencedor. Uma derrota surpreendente, acreditamos que High Chris deva ter sofrido algum contratempo físico importante nessa prova, que muito provavelmente tenha contribuído para antecipar sua saída das pistas e encaminhamento para reprodução.

Seu pai Christine’s Outlaw é um reprodutor de excelente resultado na criação nacional, como garanhão um típico “intermediário”. Aquela classe de reprodutor que serve como “liga” entre as características “brilliant” e as “clássicas”, um distribuidor de velocidade em todas as suas formas.




Christine's Outlaw atinge hoje o expressivo índice de 8,88% em ganhadores de provas Black Type, cabe ressaltar, que importante parcela de seus filhos foram direcionados para as canchas e não fizeram parte das estatísticas oficiais.

High Chris é neto materno de Inexplicable, um parelheiro que apresentou bom resultado nas pistas, sempre enfrentando a turma de primeira grandeza em sua época para a pista de grama. Foi apresentado em 19 oportunidades, 6 – 4 – 1, sempre na grama, onde o turfe dos EUA e Canadá  não oferece provas de maior relevância. Sua vitória no Canadian Handicap, G3, 1700 m, em recorde foi o seu principal feito; também venceu o New Hampshire Sweepstakes, G3, 1800 m e foi segundo colocado no Bernard Handicap, G2, 1800 m e no listed Henry S. Clark Stakes em 1609 m. Como reprodutor Inexplicable produziu bons ganhadores e colocados em provas de expressão, Inchatillon (GP Diana, G1 e GP Roberto e Nelson Seabra, G1), Jaburu Vip (GP Paraná, G1), Jeca (GP Paraná, G1), Hericoaquara (GP José Cerquinho Assumpção, G2), Fast Look (GP ABCPCC, G3), Ama-Tri (GP Pres. Antonio Correa Barbosa, G2 e GP Ricardo Lara Vidigal, G3) e mais Fiorentino, Orient Inexplicable, Galardão, Hot Box, Garrida, etc. Por razões diversas, entendemos que Inexplicable, não teve as justas oportunidades para demonstrar toda a sua capacidade na reprodução.



Inexplicable.

Sua mãe High Castle em 8 apresentações obteve uma vitória e uma colocação. Com 4 filhos em idade de corrida, High Chris é o seu melhor descendente. 
Du Chatillon, avó materna de High Chris, conseguiu 6 vitórias, segunda colocada nos GP Pres. Luiz Oliveira de Barros, G3, 1800 m e GP Pres. Roberto Alves de Almeida, G3, 1600 m, mais um 4.GP Cidade de Curitiba, L, 1900 m, é mãe de Adoration (Baynoun) que produziu Safe Port (Wild Event), GP Siphon, G2; 2. GP Siphon, G2 e 2. GP Duplex, G2 e de Deuteronomio (Baynoun), GP Antonio da Silva Prado, G2; GP Linneo de Paula Machado, G3; 2. GP ABCPCC - Copa Mathias Machline, G1, etc.
A terceira mãe de High Chris é a muito boa égua Bag of Tunes, vencedora do Kentucky Oaks, G2, segunda colocada nos importantes Coaching Club American Oaks, G1, Delaware Oaks, G1, Alabama Stakes, G1, Alcibiades Stakes, G2 e Gazelle Stakes, G2, dela descendem Prophecy (Warning), Cheveley Park Stakes, G1; Andaleeb (Lyphard), Lancashire Oaks, G2; Foreteller (Dansili), vencedor de diversos G1 na Austrália; Modern Look (Zamindar), Prix Miesque, G3 e Prix de Sandrigham, G2; Showcasing (Oasis Dream), Gimcrack Stakes, G2, etc. Essa linha materna remonta a Recess – Recce, importante veio da criação do turman norte-americano Cornelius Vanderbilt Whitney


Campanha 

3 anos

1. Prêmio Sabinus, 1400 m, AP, Gávea,




1. Prêmio Brac, G2, 1600 m, AM, Gávea,





1. Clássico Breno Caldas – Taça Criação e Turfe Gaúchos, L, 1600 m, AE, Gávea, 




4 anos

1. Grande Prêmio Presidente Vargas, G3, 1600 m, GM, Gávea,



7. Copa ABCPCC Clássica – Mathias Machline, G1, 1600 m, GL, Gávea,





1. Grande Prêmio Professor Nova Monteiro, G3, 2100 m, AL, Gávea.




Comentar sobre High Chris é falar de um tipo de corredor que pode ser considerado o paradigma do que um cavalo de corrida deve ser, indivíduo com classe, voluntarioso, veloz e duro. Sua vitória, correndo sempre no primeiro pelotão, nos 2100 metros da prova que homenageia, ao saudoso e de inesquecível memória professor Nova Monteiro, mais do que reafirmou a sua qualidade de possuir velocidade prolongada no tempo. 




High Chris retornando de sua vitória no GP Presidente Vargas, C. Lavor up.
Foto: Sylvio Rondinelli.


Outro aspecto importante a se notar, e que todo criador brasileiro não deve esquecer, é que hoje High Chris, junto com Universal Law, Tônemaí, Poker Face, Tokay e Daniel Boone, esse na Argentina, com mais o aporte futuro de Kris Five representam a oportunidade da continuação em muito boa classe no turfe mundial da quase extinta linhagem masculina de Icecapade. 

Acreditamos, que por sua estréia tardia e precoce afastamento das pistas, seja interessante ao criador que pense em utilizar High Chris ter uma especial atenção quanto a saúde locomotora das fêmeas a serem servidas e as linhagens das quais elas descendem.



Icecapade.

Assim como os australianos fizeram com Danehill a criação nacional deve pensar em investir na linhagem Icecapade, que se estabilizou no Brasil em excelente patamar de qualidade, e darmos, finalmente, início a fundação de um tronco masculino nativo. Ter Bal a Bali, um raríssimo Man O’War, hoje servindo na Calumet Farm, nos deixa mais do que evidente o caminho a ser seguido.





quinta-feira, 5 de abril de 2018

Locomotion

 


Locomotion, Fam. 4, castanho, SP, 2005, por Redattore em Elle McPherson por Choctaw Ridge, nascido no Haras Mabruk, foi reservado por seu criador e correu defendendo suas cores. Belíssimo cavalo, pesando em corrida a média de 506 quilos, foi um parelheiro precoce, duro, extremamente veloz e voluntarioso, manteve-se invicto em sua campanha nas pistas, sempre vencendo de bandeira a bandeira. Venceu dos 1300 aos 1600 metros tanto na grama como na areia. Locomotion possui régio pedigree, que aliado a seu tipo físico irrepreensível e comportamento apresentado em pistas mais do que o credenciam para ser um reprodutor com plena possibilidade de imenso sucesso.



Redattore.


Seu pai Redattore em 10 apresentações, sempre no hipódromo da Gávea, obteve 6 vitórias e 3 colocações, sua principal vitória no Brasil foi o 1º GP Pres.da República, G1, 1600 metros. Levado aos EUA levantou um total de U$1.799.883 em prêmios, vencendo o Eddie Read Hcp., G1, 1800m, Shoemaker Breeders’ Cup Mile S., G1, 1600m, Citation Hcp., G2, 1700m, Frank E. Kilroe Hcp., G2, 1600m, San Antonio Hcp., G2, 1800m, San Francisco Breeders’ Cup Mile, G2, 1600m, San Gabriel Hcp., G2, 1800m, sendo segundo colocado no Shoemaker Breeders’ Cup Mile S. G1, 1600m, Inglewood Hcp., G3, 1700m, e terceiro no Eddie Read Hcp., G1, 1800m, Arlington Million, G1, 2000m, Seabiscuit Hcp. e Live the Dream Handicap. Campanha infinitamente superior a imensa maioria dos garanhões estrangeiros importados para servirem de forma definitiva na criação brasileira.

Redattore, 5,44% vencedores Black Type no Brasil, tem produzido elementos de grande capacidade locomotora e com físicos exemplares, capazes de provar sua qualidade em pistas norte-americanas, brasileiras e Dubai, mas como é o hábito cultural do criador brasileiro sem receber o devido prestígio em nosso élevage. Animal de impressionante tipo físico e bela filiação, trata-se de um Roi Normand, do qual, falar sobre a sua importância na gravitação do élevage nacional seria redundância, em Political Intrigue, égua pertencente ao ramo de Glamour, um dos principais veios de La Troienne. Acreditamos que o exposto acima seja suficiente para se concluir qualquer juízo de valor para com Redattore.



Choctaw Ridge.


Locomotion é neto materno de Choctaw Ridge, corredor com campanha apenas razoável em seu país de origem, tendo demonstrado boa precocidade, suas duas vitórias foram obtidas aos 2 anos, sendo com mais idade, um terceiro no Flamingo Stakes, G2, 1800m e outro no Kentucky Jockey Club Stakes, G3, 1700m, os seus outros melhores resultados. Muito destacado reprodutor entre nós, tem o expressivo índice de 7,26% em vencedores Black Type, foi o garanhão líder das estatísticas nacionais em 2003/2004, 2 - 2004/2005, 5 - 2005/2006 e 2006/2007,  6 – 2008/2009 e 8 - 2007/2008, como avô materno quarto em 2010/2011 e 2011/2012, 5 – 2007/2008, 2008/2009 e 2009/2010. Choctaw Ridge possui um raro pedigree, onde se observa a presença de 11 chefs-de-race,  a principal critica a ele dirigida foi a de não ter produzido filhos mais staminados em alto padrão de classicismo, como se ele não fosse um Mr Prospector... Choctaw Ridge é um típico indivíduo para se construir pedigrees com capacidade de gerar notáveis sprinters na pura acepção da palavra.


Sua mãe Elle McPherson obteve 6 vitórias, dos 1200 aos 1400 metros, tanto na raia de grama como na areia, produziu 5 elementos, todos correram e 4 venceram.

-        Eldeyar, segunda mãe, através de seu ramo materno deu origem a Elis Elis (2. GP Diana (GV), G1, 4. Henrique de Toledo Lara, G3 e 4. GP Paulo José da Costa, G3), Vupt Vapt (1. GP Jockey Club de São Paulo, G1, 2.GP Natal, G3, 3. GP Estado do Rio de Janeiro, G1, 3. GP Gov. do Estado, G2, 4. GP Pres. Augusto de Souza Queiroz, G3, 4. GP Pres. Antonio T. De Assumpção, G3, 4. GP Natal, G3 e 5. GP Pres. do Jockey Club, G3), Rei Manda (1. Gran Premio Pedro Piñeyrua, G1 – URU), El Alamein (4. GP Ministro da Agricultura, G3 e 5. GP CPCCSP, G3), etc.

-        Urjwan, sua terceira mãe, é avó materna de Dai Jin, champion 3yo na Alemanha, vencedor do Deutsches Derby, G1, Credite Suisse Private Banking - Pokal, G1, Oppenheim – Union – Rennen, G2, etc.

-        White Star Line, a quarta mãe de Locomotion, foi a melhor fêmea de sua época nos EUA, tendo vencido o Kentucky Oaks, G1, Alabama Stakes, G1, Delaware Oaks, G1 e Test Stakes, G3, 2. Busher Handicap, 3. Acorn Stakes, G1 e Boiling Sprigs H, etc. Reprodutora fundadora de fértil ramo em classicismo da família 4-m.


                                                    Campanha 


2 anos

24/05 - 1. Prova Especial Jayme Torres – A, 1400 m, GF, Cidade Jardim,




  
3 anos

11/07 - 1. Premio Light Green, 1300 m, AE, São Paulo,

Sem vídeo disponível pelo JCSP.


4 anos


12/07 - 1. Premio Páreo da Sorte, 1400 m, GF, Cidade Jardim, Obs: Prova em que reapareceu após 1 ano de parado contra 12 competidores.





07/08 - 1. Pesos Especiais X-9 Paulistana/Pérola Negra, 1600 m, GF, Cidade Jardim,





25/09 - 1. Clássico Alberto Santos Dumont, L, 1600 m, GP, Cidade Jardim,





Locomotion demonstrou nas suas duas primeiras apresentações impressionante poderio locomotor, impondo total e absoluta superioridade aos de sua geração; aos 2 anos em sua estréia cravou o melhor tempo - 1:23.255 - entre as 3 versões da prova especial para inéditos Premio Especial Jayme Torres, 1400m, grama e colocou 5 ¾ sobre o segundo colocado.

Em sua segunda apresentação, aos 3 anos, dividiu a raia por mais de 7 corpos, marcando o muito bom tempo de  01’17”063 com finais de 24:921 para 400m e 12:919 para 200m em 1300 metros na areia encharcada.

Apresentou importante problema nos locomotores e foi afastado para recuperação no haras, após ausência de mais de um ano, retornou em julho de 2010, aos 4 anos, em páreo nos 1400m, grama, para animais de 4 e 5 anos até duas vitórias, 6 anos até 4 vitórias, e de 7 e mais anos até 6 vitórias, não tomou conhecimento dos adversários e cravou 1:21.890 para os 1400m na grama.

Um mês após a sua última apresentação, retornou as pistas em páreo de pesos especiais nos 1600 metros na grama, e novamente não tomou conhecimento de seus adversários.

Retornando a chamada nobre se apresentou no Clássico Alberto Santos Dumont, L, em 1600 metros, na grama, nessa prova Locomotion demonstrou toda a sua qualidade e extrema vontade de vencer. Única carreira que disputou com ferrageamento, perdeu e teve ferraduras abertas durante o percurso, sentiu ao entrar na reta. A filmagem frontal da reta de chegada mostra um cavalo em luta intensa por sua posição de líder, claudicando e lutando, não só contra os adversários, mas, principalmente contra a dor e as limitações que a mesma impõe... E VENCEU !

Após o Alberto Santos Dumont, Locomotion foi retirado para servir como reprodutor no haras de seu criador e proprietário. Onde, lamentavelmente por questões de tamanho de plantel, está tendo reduzidas oportunidades, mas, mesmo assim, com apenas 13 produtos em idade de corrida já apresentou as pistas Sandpiper, animal vencedor e com diversas colocações em provas de grupo.

Onde Locomotion poderia chegar na esfera clássica se não tivesse em seus inícios sido acometido por severos problemas de locomotores? Infelizmente esse é um duro preço que alguns típicos Mr Prospector são obrigados a pagar.

Como comentei quando da publicação sobre Que Fenômeno, o mesmo pensamento vale para Locomotion: "É esse tipo de cavalo que simboliza a essência da raça, a partir deles, é que tem sido possível construir o competidor clássico de nossos dias."




Danzig e suas corridas.


Velocidade, velocidade e mais velocidade!

Estarei levando nessa temporada de monta uma égua para ser servida por Locomotion.