segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Um FELIZ 2019 e Leviatan !!!



Leviatan. Foto Sylvio Rondinelli.


Ao fim da temporada de 2018, que serviu para manter acesa a chama de nossa paixão comum, desejamos aos amigos leitores um excelente 2019, com muita saúde e que as suas maiores esperanças se realizem. Um muito obrigado a todos os que nos lêem e aos criadores que nos honraram ao confiar em nossa consultoria para elaboração de suas cartas de monta 2018. Especial agradecimento aqueles que, a partir do nascimento do blog,  nos brindaram com sua amizade e ótimos “bate-papos”, nos quais tivemos a oportunidade de aprender e também rever muitos conceitos que considerávamos pétreos no pensar PSI.

Nesse final de ano, elegeremos o potro que consideramos venha a se tornar em 2019,  o grande nome da geração na milha e/ou distância intermediária, possivelmente com boas possibilidades de chegar com sucesso no Cruzeiro do Sul. Seu nome é LEVIATAN, um potro que já leva nome de craque, dono de um belíssimo tipo físico e que possui uma determinação em corrida condizente com os autênticos campeões. Frio durante o padoque e dominador na carreira, um potro que ao avançar em experiência, se mostrou eficaz na posição de espera durante o desenrolar das provas e cirúrgico em seu ataque final.



Leviatan. Foto Sylvio Rondinelli.


Um filho do  norte-americano Shanghai Bobby - meu respeito aos envolvidos em seu shuttle - em Baronesa Esteem, uma filha de Mark of Esteem. Leviatan é fruto de um haras que julgamos consciente em suas decisões, consideramos um absurdo a não utilização contumaz na reprodução de filhas de ótimos garanhões que aqui chegaram em shuttle e por uma série de fatores não se saíram como o esperado no papel de pais de grandes ganhadores. Mark of Esteem é um exemplo, um “champion miler” de primeira grandeza, que entre nós não foi bem como pai, mas, é um bom pai no exterior e lá fora já se apresenta como um muito bom avô materno. Parabéns ao Eternamente Rio por dar chances a uma Mark of Esteem na reprodução. 

De que vale importarmos em shuttle bons garanhões se a seus descendentes são negadas chances na reprodução?



Mark of Esteem.


Leviatan será revisto nas pistas em 2019, desejamos a ele o maior sucesso possível, e que ofereça ao seu staff as emoções, que só as mais belas vitórias podem proporcionar.





segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Os “Fórmulas 1” da temporada 2018


Histórica fotografia de Risota, a maior matriarca do turfe brasileiro em todos os tempos, com Rabat ao pé. Foto por José Laudo de Camargo.



O raríssimo inbreeding Fórmula 1, é  considerado por diversos estudiosos como dos mais efetivos para a produção de grandes animais, tanto em corrida como na reprodução, e ofereceu internacionalmente para a temporada 2018 alguns indivíduos de muito elevada grandeza em pistas. Devemos lembrar que esse é um modo de endogamia que repete uma das mães diretas – linha ventral –  do produto na genealogia de seu pai.


Apresentamos abaixo esses ganhadores:

1 - MASAR, vencedor do Derby de Epson, etc, seu pai New Approach é um Galileo – Urban Sea, e sua mãe Khawlah é uma bisneta de Urban Sea. Ou seja, um 3 x 4 no modo Fórmula 1 sobre a matriarca e "Reine de Course" Urban Sea.






Obs. Em Masar não podemos deixar de destacar que ele reúne em seu pedigree uma linha masculina de Sadlers Wells (Galileo - New Approach) sobre uma filha de Cape Cross. Portanto, temos em um mesmo pedigree os dois garanhões mais bem sucedidos com Urban Sea, além de sua potencialização em inbreeding Fórmula 1. Um pedigree que certamente podemos definir como 100% Tesiano. 

2 - ACCELERATE, vencedor da Breeder's Cup Classic, etc, seu pai Lookin at Lucky é um filho de Smart Trike, que leva o sangue de Smartaire. Issue, a sua mãe, possui essa mesma égua em sua quarta geração ventral. Accelerate é um 5 x 5 no modo Fórmula 1 sobre Smartaire.






3 - ALMOND EYE, vencedora da Japan Cup, etc, apresenta um inbreeding 6 x 3 em Fórmula 1 sobre a grande mãe do turfe mundial Sex Appeal, através de Try My Best e Lotta Lace.





4 - TANTHEEM, sprinter vencedora do Prix de Meautry, etc, apresenta um inbreeding 4 x 5 em Fórmula 1 sobre a matriarca Allegretta.







Allegretta por sua vez foi também criada em modo Fórmula 1 sobre a grande mãe alemã Aster em um 4 x 5. 




5 - VOANDO SORRINDO, vencedor da mais considerada prova de velocidade brasileira, o GP Major Suckow, possui um inbreeding 5 x 5 em modo Fórmula 1 clássico - sobre Risota nas duas linhas maternas de seus pais.





Obs. Quanto a Voando Sorrindo consideramos que ele pertence a um tipo de performer exatamente igual ao grande chefe de raça Danehill, um "falso" sprinter, ou seja, aquele tipo de velocista que vêm de alcance e cuja distância ideal está compreendida entre os 1200 e 1400 metros. Danehill sempre vinha a partir dos 1000 metros! Infelizmente a programação clássica brasileira não contempla provas para esse tipo de corredor e nunca Voando Sorrindo poderá nos brindar com demonstrações a plena carga de sua imensa qualidade.



Estátua de Danehill, o grande ícone moderno do inbreeding Fórmula 1.








domingo, 9 de dezembro de 2018

NN Kremlin - A jóia do Leilão TBS



Ao estudar o catálogo do Leilão Criação Nacional 2018 promovido por TBS International é possível constatar o muito bom nível de genética que ainda temos condição de produzir em nosso parque criacional. Dentre muito boas ofertas de lotes identifiquei um que me causou espécie pelo seu ALTÍSSIMO nível. Esse lote é o da muito útil velocista recém iniciada na reprodução Kremlin, mas, de fato, o que chamou mais a atenção foi a sua prenhez de Midas Touch.

Esse cruzamento traz um forte inbreeding 2 x 3 sobre Galileo, esse raro modo de inbreeding que hoje volta a prática em importantes haras, principalmente Juddmonte Farms, oferece nesse momento ao turfe mundial a magnífica Enable (2x3 Sadler's Wells), no passado essa endogamia era muito mais comum e nos trouxe nomes de outros grandes cavalos, um craque como Havresac II (2x3 Rabelais), o stakes winner tesiano Naucide (2x3 Havresac II), de Boussac destacamos a fora de série Apollonia (2x3 Tourbillon) e Astana (2x3 Tourbillon) = Crepellana. Mais atrás, tivemos os grandes chefes de raça KSAR (2x3 Omnium) e FLYING FOX (2x3 Galopin). Também podemos citar entre tantos a bela mãe Highlight (2x3 Hyperion) = Highclere e as muito boas mães inbreedings 2x3 sobre Northern Dancer: Smala = Chichicastenango, Sadima = Youmsain e Creachadoir,  Willstar  = Etoile Montante, Viviana = Sightseek e L' Extra Honor = Majestic Roi. No Brasil o craque tordilho Prosper, 2x3 sobre Malva, sempre dito pelo saudoso sr. Atualpa Soares como paradigma de um grande pedigree.




A maioria dos exemplos de endogamia acima citados apresentam uma similaridade que encontramos na prenhez de Kremlin por Midas Touch, ou seja, a construção de um pedigree outcross fora do animal objetivado no inbreeding.



Midas Touch.

Não cabe nesse artigo discorrer sobre as linhagens e campanhas de Kremlin e Midas Touch, pois todas as informações pertinentes já constam no bem elaborado catálogo TBS. Apenas destacamos o nosso entendimento que esse veio materno está latente e prestes a "explodir" algum animal de maior campanha, e quem sabe não é essa prenhez...

O que também podemos comentar é que a sequência Midas Touch - Roderic O'Connor - Spend A Buck - St Chad - Locris sobre a jóia genética Vienza, uma Aristophanes, importada da Argentina a peso de ouro por Mariano Raggio, para ser uma das fundadoras do seu Haras Sideral de Bagé, e pertencente a linhagem da égua base do turfe mundial DOGARESA nos trás um único pensamento: "É UM LUXO SÓ".