quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Flight Time e a milha como padrão de excelência


Flight Time, Fam. 16, preto, RS, 2014, Put it Back em Quanta Carina por Wild Event, criação do Haras Santa Maria de Araras e propriedade do Black Opal Stud, foi apresentado como a principal estrela do leilão de seu criador; portador de magnífico tipo físico e régia filiação era uma figurinha mais do que carimbada para o sucesso, sendo a sua opção de compra apenas uma definição de quem pagaria mais, foi adquirido por R$ 240.000,00.
Invicto em sua campanha, foi apresentado até agora em 4 oportunidades, a saber:
2017
1. Premio Lansita, 1200 m, AM, Gávea,
1. Prova Especial Daião, 1400 m, GL, Gávea,
1. Grande Prêmio Frederico Lundgren, G3, 1600 m, GL, Gávea,
2018
1. Grande Prêmio Estado do Rio de Janeiro ***, G1, 1600 m, GL, Gávea.

Flight Time em sua vitória no GP Frederico Lundgren

Flight Time em sua vitória no GP Estado do Rio de Janeiro


Animal de impressionante poderio locomotor, mas, ao que tudo indica até aqui, demonstra ser a milha o seu limite, confirmando seu pedigree e estilo de corrida. Possivelmente seja capaz de chegar aos 2000 metros, se conseguir ser acalmado, mas, é difícil, pois animais céleres, quando possuem classe, são normalmente voluntariosos e não aceitam outra tática, se não a de correr na frente. Quando contrariados se irritam, perdem a concentração, o ritmo da passada e terminam produzindo abaixo de seu potencial.

Put it Back, seu pai, corria na frente e transmitiu a Flight Time essa "velocidade para correr na frente", velocidade típica dos sprinters-milers (vide diagrama de dosagem no fim da publicação). De forma geral, as tentativas para disciplinar a voluntariedade nesse tipo de cavalo resulta inútil. Bold Ruler, um paradigma sprinter-miler, assim o demonstrou ao perder corridas incríveis, justamente por não negociar sua forma de correr com seu jóquei.  Mas é algo que seu proprietário terá que pagar se quiser ver. Se eu pertencesse ao staff do cavalo minha sugestão seria a de não ir para a distância e procurar, sim, tentar defender uma invencibilidade até a milha para forcejar a construção de uma lenda. Mais ou menos seguindo a estratégia do dr. Francisco Eduardo de Paula Machado para com o grande Itajara, lembrado por inúmeros feitos menos o de ter sido recordista na milha, ao evitar seu confronto fora de uma geração amplamente por ele dominada e foi feita a história...

Outro aspecto que também fundamenta teoricamente uma “parada” na milha é a produção de sua mãe Quanto Carina, que até o momento não conseguiu gerar nenhum ganhador além dessa distância.


Flight Time pelo que demonstrou até aqui deve ser tratado como uma jóia de imenso quilate, não é qualquer cavalo que consegue correr a milha da forma como ele corre e uma possível utilização futura de seus serviços na reprodução brasileira seria de inestimável valor para o tão combalido élevage nacional.
Existe no Brasil uma certa ojeriza para com o garanhão milheiro, tal fato provavelmente tenha se originado pelo fracasso de Quartier Latin na reprodução, mas, Quartier Latin mesmo em que pese sua magnífica campanha foi um milheiro “sopeiro”. O tema “relação milheiro e velocidade” foi tratado no artigo
François Boutin – treinador de notáveis milheiros como Nureyev, Miesque, Nonoalco, Mendez, Exit to Nowhere, Priolo, entre outros – comentou a dificuldade da milha:
“Treinar um cavalo para enfrentar os testes clássicos sobre a milha, implica em tentar ensina-lo a correr duas vezes 800 metros em um único fôlego, sempre no limite de seu esforço máximo; somente animais privilegiados fisicamente o conseguem, e gerações de potros podem se suceder antes que você coloque as mãos em uma dessas raridades.”
A distância da milha vencida de bandeira a bandeira, ou em luta direta entre os primeiros, mostra ser o seu vencedor um atleta que não possui o aerobismo dos stayers e nem a explosão muscular dos sprinters, mas sim a tão perseguida “velocidade prolongada no tempo”, que é, a combinação perfeita entre psique, coração, pulmões e musculatura, originando assim, uma máquina de corrida ideal.
Notáveis milheiros que apresentaram em suas campanhas  “velocidade prolongada no tempo” são parte essencial do pedigree de qualquer excepcional cavalo de corrida e hoje esses garanhões milheiros são grandes pais de vencedores clássicos na Europa e EUA.
Frederico Tesio escreveu:
“Senza un rappresentante dei 1600 metri, difficilmente si potrá produrre um cavallo fuori classe, perchè privo di grande scatto nervoso, cioè di velocitá.”

Abaixo o esquema de dosagem do OUTBRED Flight Time, que demonstra o seu muito provável limiar entre as aptidões de “sprinter” e “miler”.