quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Que Fenomeno


Que Fenomeno, Fam. 14-c, castanho, RS, 2008, por Northern Afleet em Princesa do Oeste por Gone West, nasceu e foi criado no Haras Old Friends, sendo propriedade de um condomínio. Correu dos dois aos três anos de idade em 12 oportunidades, 4-1- 2, demonstrou precocidade e adaptação tanto a pista de grama quanto a de areia, sendo a sua vitória na Taça de Prata – Grande Prêmio J. Adhemar de Almeida Prado seu mais expressivo resultado.

Northern Afleet




Seu pai Northern Afleet foi um corredor de categoria intermediária, 21-5-3-5 com U$S 626.670 em prêmios, sendo suas vitórias aos 4 anos nos San Fernando Breeder’s Cup Stakes, G2, 1800 m; San Carlos Handicap, G2, 1400 m e San Diego Handicap, G2, 1700 m seus melhores resultados. Mas, foi na reprodução que Northern Afleet se destacou como belíssimo semental, serviu no Brasil em regime de shuttle por 3 temporadas tendo atingindo o expressivo índice de 12,73% em vencedores de provas Black Type, onde podemos destacar além de Que Fenomeno a Baccelo, Victory is Ours, Que Espetáculo, Vôo Livre, I Say You Stay, Beach Dance, Olympic Bullet, Quality Control, Montardon, Rava, Vitória Olímpica,  Bom de Bola, etc. Com toda certeza Northern Afleet pode ser considerado como um dos melhores “shuttles” que adentraram no Brasil. Nos EUA é pai de 14 vencedores Gr 1, 32 vencedores de Graded Stakes e 8 ganhadores de mais de US$ 1 milhão, destacando-se,  Afleet Alex (Preakness Stakes, G1 e Belmont Stakes, G1), World Approval (Breeder’s Cup Mile, G1, Woodbine Mile, G1 e Fourstardave Handicap, G1), Amazombie (Breeder’s Cup Sprint, G1), Denman’s Call (Triple Bend Stakes, G1), Big City Man (Gr 1 e US$ 1.521.505), Teaks North (Gr 1 e US$ 1.302.174), Evening Jewel (Gr 1 e US$ 1.221.399), Leeman (Gr 1), War Story (US$ 2.234.305), Kaigun (US$ 1.441.243), etc. 

Princesa do Oeste, sua mãe, não foi apresentada as pistas, e tem em Que Fenomeno seu melhor produto, possui muito bom pedigree, onde pode-se também destacar sua avó materna, a importante matriz Balidaress,  mãe de Park Appeal, Alydaress e do garanhão Nashamaa, de sua linha ventral descendem os muito bons corredores e sementais de primeiro time Cape Cross e Iffraaj, os também bons parelheiros e úteis reprodutores Diktat, Layman e Bin Ajwaad, a champion 3-year-old Filly na Europa Russian Rhythm, etc.

Gone West.




Que Fenomeno em sua vitória no Grande Prêmio J. Adhemar de Almeida Prado - Taça de Prata





                                                              Campanha 

2 anos

3. Prova Especial Rafael de Barros Filho – A, 1000 m, AE, Cidade Jardim,
1. Clássico Presidente Herculano de Freitas, L, 1000 m, G2, GM, Cidade Jardim,
6. Prova Especial José e Luiz Vieira de Carvalho Mesquita, 1500 m, GM, Cidade Jardim,
4. Grande Prêmio Juliano Martins, 1600 m, G1, GF, Cidade Jardim,
1. Grande Prêmio J. Adhemar de Almeida Prado – Taça de Prata, 1600 m, G1, GM, Cidade Jardim,

3 anos

8. Grande Prêmio Ipiranga ***, G1, 1600 m, GF, Cidade Jardim,
10. Grande Prêmio Jockey Club de São Paulo***, G1, 2000 m, GF, Cidade Jardim,
3. Prêmio Coronado Runner, 1600 m, AP, Cidade Jardim,
8. Grande Prêmio Presidente Antonio T. Assumpção Netto, G3, 1600 m, GP, Cidade Jardim,

4 anos

1. Prêmio Vallin, G1, 1400 m, GM, Cidade Jardim,
1. Prêmio Coronado Runner, 1600 m, AP, Cidade Jardim,
1. Clássico Prefeito do município de São Paulo, L, 1400 m, GM, Cidade Jardim,
2. Grande Prêmio Governador do Estado, G2, 1600 m, GM, Cidade Jardim.





Que Fenomeno possui físico potente e bem equilibrado, por carregar forte inbreeding sobre Mr Prospector, 3 x 3 x 5,  além de um 4 x 5 sobre Northern Dancer através de Danzig e Nureyev, mensageiros também pouco recomendáveis em saúde de locomotores, apresentou precocemente importante problema relacionado a boleto. Mas, demonstrou em sua campanha uma das maiores virtudes que um cavalo de puro sangue de corrida pode expressar, a “vontade de vencer”. Muito provavelmente se Que Fenomeno fosse um cavalo comum, não conseguiria sair do perdedor, mas, por sua enorme categoria sagrou-se vencedor da Taça de Prata, importantíssima prova de grupo 1, quando não tomou conhecimento de seus adversários.

Que Fenomeno também possui inbreeding sobre a boa mãe Tamerett, 4 x 5,

http://www.americanclassicpedigrees.com/tamerett.html

Seguramente, ele reúne todas  as credenciais para vir a se tornar um muito importante reprodutor, pois além de interessante campanha, muito prejudicada por suas condições físicas, possui régio pedigree, que não apresenta nenhuma fraqueza através de algum ponto de “falta de força”. Mas, quanto a Que Fenomeno, temos a mesma percepção de John Aiscan, a de que determinados tipos de cavalos ao passarem a cumprir funções na reprodução necessitam que seus filhos sejam criados em ambientes menos artificiais e mais próximos da natureza, o que no Brasil corresponde principalmente aos campos de Bagé/Aceguá/Uruguaiana e talvez um ou outro haras fora desse eixo, para que tenham aumentadas as suas chances para poderem exteriorizar toda a sua capacidade funcional. Outro aspecto que julgamos a se considerar absolutamente fundamental na utilização de Que Fenomeno como garanhão é o seu não serviço sobre éguas descendentes de mensageiros frágeis das linhas de Mr Prospector e Northern Dancer ou quaisquer outros indivíduos que padeceram de fragilidade dos locomotores.

Entendemos, também, que os proprietários de filhos de Que Fenomeno devam ter especial atenção com alertas a seus treinadores para que conduzam os seus inícios com muita vagar e cuidado, pois muito provavelmente essa potrada irá querer demonstrar precocemente uma “vontade de correr” ainda não compatível com seu completo desenvolvimento ósseo e muscular. Ou seja,  para os filhos de Que Fenomeno vemos muito apropriado o raciocínio de que “antes de se pensar em corre-los, é necessário pensar em construí-los para isso.”

Tratamos de tema relativo em nossa postagem:


Obs. Com 28 filhos em idade de corrida, 17 correram, 9 são ganhadores e 3 indivíduos - 6,52% - são vencedores Black Type, índice bastante expressivo. 

Cavalos como Que Fenomeno simbolizam a essência da raça, a partir deles, é que tem sido possível construir o competidor clássico de nossos dias.